Pequena Idade do Gelo determinou evasão viking da Groenlândia

Cientistas reconstroem 5600 anos de história do clima na região de dois lagos situados no lado Ocidental da ilha.

taniager

01 Junho 2011 | 13h01

William D'Andrea, à direita, e Yongsong Huang pegam amostras de dois lagos na Groenlândia para análise. Crédito: William D'Andrea/Brown University.

William D'Andrea, à direita, e Yongsong Huang pegam amostras de dois lagos na Groenlândia para análise. Crédito: William D'Andrea/Brown University.

Cientistas reconstroem 5600 anos de história do clima na região de dois lagos situados no lado Ocidental da Groenlândia e põem fim ao mistério que cercava o desaparecimento de um assentamento Viking. Eles também mostram como o clima afetou as antigas culturas esquimós Dorset e Saqqaq, a primeira acostumada ao frio intenso. O resultado do estudo foi publicado no Proceedings of the National Academy of Sciences recentemente.

Já se sabia que a Groenlândia havia passado por um frio súbito e prolongado, denominado A Pequena Idade do Gelo, por volta de 1400. Mas somente agora os geólogos da Universidade de Brown, com colaboradores da Universidade de Nebraska–Lincoln nos Estados Unidos e da Universidade de Loughborough no Reino Unido, puderam registrar quantitativamente a temperatura da área e determinar definitivamente uma tendência de arrefecimento na região pouco antes do desaparecimento nórdico.

“Os registros mostram como a temperatura mudou rapidamente na região e de quanto foi sua queda”, argumentou o autor Yongsong Huang, professor de Ciências Geológicas da Universidade de Brown.

Mas a alteração climática não é o único fator a contribuir para a desistência do assentamento nórdico Ocidental. Segundo o consultor William D’Andrea, o estilo de vida sedentário do povo Viking, a dependência de alimentos provenientes da agricultura e pecuária, a dependência do comércio com a Escandinávia e as relações conflituosas com os vizinhos esquimós Inuit parecem ter colaborado também. Mesmo assim, o clima desempenhou um papel significativo.

Os Vikings chegaram a Groenlândia nos anos de 980, e construíram uma sequência de pequenas comunidades na costa oeste e ao sul oriental da ilha. O estudo mostra que a chegada coincidiu com um tempo de clima relativamente ameno, semelhante ao atual. No entanto, por volta de 1100, o clima começou um período de 80 anos com queda de quatro graus Celsius na temperatura. Esta queda não pode ser considerada brusca, especialmente no verão, mas a mudança poderia ter marcado o início de uma série de perigos, incluindo temporadas mais curtas de crescimento das culturas, menos comida disponível para a criação de gado e mais gelo no mar para bloquear o comércio.

Registros arqueológicos e escritos mostram que o assentamento ocidental persistiu até meados dos anos 1300, aproximadamente. Acredita-se que a liquidação do assentamento oriental se deu nas duas primeiras décadas de 1400.

Os pesquisadores também analisaram como o clima afetou os povos Saqqaq e Dorset. Os Saqqaq chegaram a Groenlândia a cerca de 2500 a.C. Durante séculos após sua chegada a temperatura oscilou entre quente e fria, mas uma mudança climática importante começou por volta de 850 a.C. D’Andrea acredita que não foi tanto a velocidade de resfriamento, mas sua amplitude que desencadeou muito mais frio.

A saída dos Saqqaq coincide com a chegada dos Dorset, povo mais acostumado a caçar no gelo do mar que se acumulou com o clima mais frio de então. Apesar da afinidade com o frio, esta cultura começou a minguar na parte ocidental da ilha por volta de 50 a.C. A razão poderia ser um resfriamento maior, mas segundo D’Andrea, deve haver mais do que isto para explicar.

Veja também:
Chuvas do Triássico orientaram distribuição de mamíferos e répteis
Fungos descobertos podem ser elo perdido na cadeia evolutiva
Mudanças climáticas: olhando o passado para copreender o presente
Descoberta causa do encolhimento da camada superior da atmosfera
“Oásis de oxigênio” existia nos oceanos há 2,5 bilhões de anos
Extinção foi ponto de partida para diversidade dos vertebrados
Pesquisadores afirmam que Terra caminha para 6ª extinção em massa