Processo permite visualizar a energia passando em polímero condutor

Polímeros condutores são materiais de plástico com uma elevada condutividade elétrica e que prometem revolucionar uma vasta gama de produtos.

taniager

28 Setembro 2010 | 16h55

Polímeros condutores são materiais de plástico com uma elevada condutividade elétrica e que prometem revolucionar uma vasta gama de produtos, incluindo as telas de televisão, baterias solares e detectores biomédicos. Uma equipe de pesquisadores da Universidade McGill, Canadá, descobriu como visualizar e explorar o processo de transporte de energia ao longo de uma molécula de polímeros condutores ao mesmo tempo, um passo decisivo para a transferência de novos aplicativos.

“Sem dúvida podemos facilmente estudar o transporte de energia em um cabo da espessura de um fio de cabelo humano, mas imagine o que é estudar esse processo em uma única molécula de polímero, onde a espessura corresponde a um milionésimo disso!”, disse o professor Gonzalo Cosa, pesquisador sênior do departamento de química. 

Trabalhando em colaboração com a professora Isabelle Rouiller, do Departamento de anatomia e biologia celular, a equipe tem usado microscópios ópticos e eletrônicos de ponta e pode capturar as moléculas de polímero dentro de bolsas minúsculas de uma célula do corpo humano. Os pesquisadores observaram sua capacidade para transportar a energia em diferentes conformações.

“Esta pesquisa é pioneira porque podemos olhar o transporte de energia em moléculas individuais de polímero em vez de medições de uma coleção composta de bilhões destas moléculas”. “Isso se compara a observar as características de uma pessoa ao invés de depender dos dados de censo da população de todo o mundo”, explicou o Cosa.

Professor Gonzalo Cosa do Departamento de química. Cortesia da Universidade McGill.

Professor Gonzalo Cosa do Departamento de química. Cortesia da Universidade McGill.

Segundo Cosa, “polímeros condutores são longas moléculas orgânicas chamadas nanofios. Os componentes localizados na cadeia principal trocam com êxito a energia entre eles quando o polímero é enrolado sobre ele mesmo, mas o processo é abrandado quando a cadeia principal do polímero é estendida. Uma melhor compreensão do funcionamento deste processo permitirá desenvolver uma variedade de tecnologias”.

Os estudos são essenciais para as aplicações da vida cotidiana, como em aparelhos de detecção e de diferenciação de células, de agentes patogênicos e de toxinas. Eles também podem contribuir no futuro para criar materiais de antenas coletoras híbridas orgânicas e não orgânicas para baterias solares.

Veja também:
– 
 Pesquisadores observam íon único passando em nanotubo de carbono
Se esticar diminui: molécula de polímero tem propriedade inusitada
Células-tronco crescem aos milhares em superfície sintética
Sistemas podem ser mais velozes e totalmente óticos com novo material