Século 18 foi marcado por epidemia de tifo trazido por viajantes espanhóis

Ao estudar a polpa dentária de esqueletos de Douai, pesquisadores identificaram agentes patogênicos responsáveis pela peste e tifo.

taniager

09 Novembro 2010 | 15h17

Cova comum descoberta em Douai. Crédito: Communauté d'agglomération du Douaisis, direction de l'archéologie préventive.

Cova comum descoberta em Douai. Crédito: Communauté d'agglomération du Douaisis, direction de l'archéologie préventive.

Ao estudar a polpa dentária de esqueletos enterrados em Douai (Norte da França), pesquisadores do CNRS e da Universidade de Méditerranée, França, identificaram os agentes patogênicos responsáveis pela peste e pelo tifo. Publicado na revista PLoS ONE, esta obra revela pela primeira vez a presença de tifo na Europa no início do século XVIII e apoia a hipótese de que esta doença poderia ter sido importada para a Europa pelos conquistadores espanhóis retornando das Américas.

Entre 1710 e 1712, enquanto Luís XIV estava travando uma guerra com o Norte da Europa para a sucessão espanhola, a cidade de Douai, no norte da França foi sitiada em várias ocasiões. Em 1981, durante uma obra de construção, foram descobertas valas comuns na cidade. Os esqueletos trazidos à luz foram submetidos a estudos de paleomicrobiologia dirigidos por Didier Raoult da Unidade de Pesquisa de Doenças Infecciosas e Tropicais Emergentes (CNRS/Université de la Méditerranée/IRD), em colaboração com pesquisadores do Laboratório de Antropologia Biocultural de Marselha (CNRS/Université de la Méditerranée/EFS).

O modo como os esqueletos encontrados nas covas comuns estavam dispostos e a ausência de quaisquer lesões corporais causadas por armas apontam uma epidemia, possivelmente mais letal do que as batalhas que tiveram lugar durante o cerco de Douai, no início do século XVIII. Análises de biologia molecular permitiram à equipe identificar o agente patogênico responsável pela epidemia. Usando o DNA extraído de tecido dental, os cientistas identificaram o DNA das bactérias responsáveis pela peste (Bartonella quintana) e principalmente tifo (Rickettsia prowazekii). Esta é a primeira demonstração da presença na Europa do agente de tifo, doença infecciosa transmitida por piolhos.

A mesma equipe de cientistas já havia revelado a presença destes agentes patogênicos um século depois nos exércitos napoleônicos. A genotipagem da Rickettsia prowazekii mostra que é a mesma bactéria que mais tarde se tornou abundante na Espanha, apoiando assim a hipótese de que o tifo foi importado para a Europa pelos conquistadores espanhóis no início do século XVIII.