Nova técnica usa luz "inofensiva" para manipular proteínas em células

Pesquisadores mostram que técnica pode ser usada para ativar proteínas importantes, oferecendo nova abordagem contra doenças.

root

19 de maio de 2010 | 14h04

Imagem da técnica desenvolvida no laboratório da UNC. Crédito: UNC School of Medicine.

Imagem da técnica desenvolvida no laboratório da UNC. Crédito: UNC School of Medicine.

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA, desenvolveram uma técnica que usa luz para manipular a atividade de uma proteína em células de forma precisa, oferecendo uma nova abordagem para cientistas que estudam as bases das funções proteicas. O trabalho pode ter implicações importantes principalmente em relação a doenças como o câncer.

A técnica, testada em moscas de fruta, complementa um estudo realizado pela Universidade de Wisconsin-Madison, divulgado no início do ano, envolvendo peixes. “Agora mostramos que a técnica funciona em dois organismos vivos diferentes, fornecendo provas de que a luz pode ser usada para ativar proteínas-chave”, diz Klaus Hahn, responsável pela pesquisa em questão.

“Neste caso, a proteína controla o movimento das células, permitindo que a gente mova as células em animais. Isto é particularmente útil em estudos em que o movimento celular é o foco da investigação, incluindo desenvolvimento embrionário, regeneração de nervos e metástase de câncer”, explica Hahn. O pesquisador afirma que a partir desta técnica será possível controlar onde e quando as proteínas são ativadas, proporcionando um nível de controle bem maior em diversas circunstâncias.

O método é um avanço sobre técnicas anteriores de luz para controle celular que usam ondas luminosas tóxicas, alterando a membrana celular. Além disso, não requer injeção de cofatores ou outros materiais sintéticos nos animais estudados.

Veja também:

Nanotubos de carbono podem ajudar luta do corpo contra o câncer
Luz azul aciona atividade motora em rato geneticamente modificado

Tendências: