Telescópio guardião identifica primeiro asteroide "potencialmente perigoso"

Duas imagens do objeto potencialmente perigoso mostram o asteróide se movendo contra o fundo de estrelas e galáxias.

root

28 Setembro 2010 | 14h20

Duas imagens do ST3 – objeto potencialmente perigoso – encontrado pelo PS1 tiradas com cerca de 15 minutos de diferença em setembro mostram o asteróide se movendo contra o fundo de estrelas e galáxias. Crédito: PS1SC.

Duas imagens do ST3 – objeto potencialmente perigoso – encontrado pelo PS1 tiradas com cerca de 15 minutos de diferença em setembro mostram o asteróide se movendo contra o fundo de estrelas e galáxias. Crédito: PS1SC.

O telescópio PS1, Panoramic Survey Telescope & Rapid Response System (Pan-STARRS), descobriu um asteroide que passará relativamente perto da Terra em meados de outubro. O objeto tem cerca de 150 metros de diâmetro e foi identificado em imagens obtidas no dia 16 de setembro – a aproximadamente 20 milhões de milhas do nosso planeta.

É o primeiro objeto “potencialmente perigoso” detectado pela Pan-STARRS.  “Embora este objeto específico não vá atingir a Terra em breve, a sua descoberta mostra que o Pan-STARRS agora é o sistema mais sensível dedicado à descoberta de asteróides potencialmente perigosos”, diz Robert Jedicke, membro da Universidade do Havaí. “Este objeto foi descoberto quando estava longe demais para ser detectado por outras pesquisas de asteróides”.

De acordo com a equipe, que conta com a participação do Cantreo Harvard-Smithsonian de Astrofísica, a maioria das descobertas já foi catalogada. Contudo, os cientistas suspeitam que há muitos objetos que precisam ser identificados, mais próximos do que se imagina. Eles poderiam causar a devastação de algumas regiões do planeta se atingirem a Terra, mesmo que tais impactos ocorram apenas uma vez em milhares de anos.

O Pan-STARRS foi idealizado para identificar milhares de asteróides novos a cada ano, com uma precisão suficiente para calcular precisamente as suas órbitas em torno do Sol. Qualquer objeto de tamanho considerável que se apresentar de forma perigosa nos próximos 50 anos ou mais serão cuidadosamente monitorados. A previsão precoce poderia fornecer informações suficientes para que uma missão espacial fosse estabelecida com a função de desviar a ameaça.

Veja também:

Equipe prova existência de asteroides separados pela força centrífuga
Defesa terrestre: telescópio Pan-STARRS já está em ação
Especialistas analisam bolas de fogo detectadas por astrônomos amadores
Imensa cratera identificada no Mar do Timor dá pistas sobre gelo na Antártida

Leia mais sobre: astronomia.