Alimentos com “gordura zero” podem contribuir para obesidade

Comida preparada com gordura sintética, substituta da gordura natural, interfere em habilidade do corpo de regular ingestão alimentar.

taniager

21 de junho de 2011 | 07h56

Crédito: Ricardo Gerasimenko.

Crédito: Ricardo Gerasimenko.

Rótulos estampados com as palavras “zero caloria” nas embalagens de alimentos processados costumam chamar a atenção do público interessado em manter a forma ou reduzir alguns quilinhos. Mas esta seria a melhor opção para emagrecer? Pesquisadores interessados em dar uma resposta à questão realizaram uma experiência e constataram que batatinhas fritas processadas de baixa caloria, bem como outros alimentos com gorduras sintéticas, poderiam contribuir para o ganho de peso. O artigo do estudo realizado por equipe da Universidade de Purdue, EUA, foi publicado na revista Behavioral Neuroscience da American Psychological Association (APA) recentemente.

O estudo mostrou que a comida preparada com gordura sintética, substituta da gordura natural, interfere na habilidade do corpo de regular a ingestão alimentar.  Isto pode levar o organismo ao uso inadequado de calorias e consequentemente elevar o peso.

A experiência foi feita com dois grupos de ratinhos alimentados somente com batatinhas processadas: um grupo recebeu primeiramente este alimento na forma “light”, de baixa caloria, e alguns dias depois, na forma de alta caloria; outro grupo foi alimentado apenas com batatinhas de alta caloria.  As batatinhas de baixa caloria são feitas com olestra, uma gordura artificial que tem zero caloria e passa pelo corpo sem ser digerida.

O resultado evidenciou que os ratinhos alimentados com ambos os tipos de batatinhas consumiram mais, ganharam mais peso e desenvolveram mais tecidos de gordura que aqueles alimentados apenas com batatinhas de alta caloria. Os ratos gordos também não perderam o peso extra mesmo depois da dieta com batatinhas ser removida.

A explicação pode residir no paladar. O sabor da gordura natural desencadeia várias respostas do organismo, incluindo salivação, secreções hormonais e reações metabólicas. A ingestão de gordura sintética pode interferir com estas respostas.

Assim, quando os animais comem alimentos feitos com gordura artificial, as funções metabólicas são desreguladas e a ingestão posterior de alimentos com gordura natural é prejudicada. Por outro lado, ingerir apenas gordura sintética não engorda, mas também não emagrece. O ideal seria apenas reduzir a quantidade de gordura natural ingerida para emagrecer.

Pesquisas anteriores também haviam mostrado que o mesmo vale para os açúcares artificiais.

“Infelizmente, não há nenhuma bala de prata”, disse Susan E. Swithers, professora de psicologia e líder da equipe de estudo. “Comer alimentos que possuam naturalmente baixos níveis de gordura e caloria poderia ser um caminho melhor do que confiar em substitutos de gordura ou adoçantes artificiais”.

Veja também:
Antropólogos estudam a “transmissão social” da obesidade
Célula lotada de gordura  dispara processo que leva ao diabetes
Alimentos “anti-inflamatórios” podem ter complexa ação benéfica
Não é a falta de vontade: células cerebrais que determinam a obesidade
Ocitocina é esperança para transtornos alimentares
Dieta rica em nozes prepara o corpo para lidar com o estresse