Origem do Universo iluminada

Origem do Universo iluminada

Herton Escobar

21 de março de 2013 | 15h51

Image credit: ESA and the Planck Collaboration

Esta imagem acima pode parecer muito sem graça para o leitor comum; mas, aos olhos dos físicos e astrônomos que estudam a evolução do Universo, ela é uma das imagens mais lindas já produzidas pela ciência. Trata-se do mapa mais detalhado já produzido da Radiação Cósmica de Fundo em Microondas (RCFM), divulgado hoje pela missão Planck da Agência Espacial Europeia (ESA), em colaboração com a Nasa. Em poucas palavras bem simplificadas: o que estamos vendo é um mapa de variações de temperatura na RCFM, que serve como um “pano de fundo” luminoso deixado pelo Big Bang. Nas palavras da Nasa, é um mapa da “luz mais antiga do Universo”. E com base nesse mapa é possível determinar como era a distribuição de matéria e energia no Universo quando ele era ainda praticamente um recém-nascido, com “míseros” 380 mil anos de idade.

Por mais simples que a imagem possa parecer, ela está recheada de informações essenciais sobre a origem e o desenvolvimento do Universo.

Uma primeira análise dos resultados, segundo a Nasa, já traz algumas sugestões importantes: 1) que o Universo tem 13,8 bilhões de anos (100 milhões a mais do que as estimativas anteriores); 2) que a velocidade de expansão do Universo — a chamada “constante de Hubble” — é de 67,15 km por segundo por megaparsec (um megaparsec equivale a 3 milhões de anos-luz); e 3) que há menos energia e mais matéria no Universo do que se pensava (26,8% de matéria escura, 4,9% de matéria visível e 68,3% de energia escuram segundo as novas estimativas baseadas no mapa).

Para entender como esse mapa foi feito, veja o vídeo abaixo. O que a imagem mostra, na verdade, é a “superfície externa” de um mapa esférico, aberto como um mapa-múndi do planeta Terra, que foi feito “de dentro” pelo satélite Planck. (o vídeo vale por mil palavras neste caso …)   Imagine só!

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.