FESTA DE GALÁXIAS

FESTA DE GALÁXIAS

Herton Escobar

10 de janeiro de 2012 | 16h57

Duas imagens quentinhas do Universo, recém-saídas do forno gélido do espaço-tempo:

1) Nesta imagem, feita pelo telescópio espacial Hubble, da NASA, astrônomos descobriram um aglomerado de cinco galáxias localizadas a aproximadamente 13,1 bilhões de anos-luz da Terra. Segundo a NASA, é o aglomerado de galáxias mais distante já observado.

13 bilhões de anos-luz é uma distância incompreensível … Significa que essas galáxias foram formadas nos primórdios do Universo, “apenas” 600 milhões de anos após o Big-Bang (que ocorreu 13,7 bilhões de anos atrás). A foto não parece muito impressionante à primeira vista, até que você para para pensar sobre o que está olhando: cada ponto luminoso nesta foto é uma galáxia inteira, com bilhões de estrelas (e provavelmente bilhões de planetas) dentro dela. Imagine só! (As que fazem parte do “aglomerado” estão marcadas com círculos … mas infelizmente o release da NASA não explica porque elas aparecem tão distantes umas das outras na imagem …).

Mais informações neste link: Hubble Pinpoints Farthest Protocluster of Galaxies Ever Seen

2) Essa aqui também é de um aglomerado de galáxias, batizado de “El Gordo”. Segundo a equipe que fez a descoberta (utilizando o Very Large Telescope do ESO, no Chile, juntamente com o telescópio espacial de raios X Chandra, da NASA, e o Atacama Cosmology Telescope), é o “maior aglomerado já observado no Universo longínquo”, localizado a 7 bilhões de anos-luz da Terra.

“Este aglomerado tem mais massa, é mais quente e emite mais raios-X do que qualquer outro aglomerado encontrado a esta distância ou a distâncias ainda maiores,” disse Felipe Menanteau da Universidade Rutgers, que liderou este estudo, segundo o press release divulgado pelo ESO. “Dedicámos muito do nosso tempo de observação ao El Gordo e estou contente por termos conseguido descobrir este espantoso aglomerado em colisão.”

Mais informações neste link: El Gordo – Um aglomerado de galáxias “gordo” e distante

Ambas as descobertas foram divulgadas no encontro da Sociedade Astronômica Americana, que está em curso em Austin, no Texas (EUA).

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.