Finep ressuscita editais de apoio à infraestrutura de pesquisa

Finep ressuscita editais de apoio à infraestrutura de pesquisa

Chamadas do CT-Infra no valor de R$ 280 milhões serão anunciadas hoje, após quatro anos de paralisia imposta por cortes orçamentários e contingenciamentos

Herton Escobar

11 de julho de 2018 | 11h11

O presidente da Finep, Marcos Cintra. Foto: Finep

Em tempos de crise e cortes orçamentários, uma boa notícia. A Finep lança hoje um pacote de editais voltados para o financiamento de infraestrutura de pesquisa em universidades e institutos de ciência e tecnologia, no valor de R$ 280 milhões. São as primeiras chamadas do fundo setorial de infraestrutura (CT-Infra) em quatro anos — o que vem fazendo uma falta danada para a comunidade científica nacional.

As últimas chamadas do CT-Infra — que costumavam ser anuais, constituindo um dos principais pilares de sustentação da ciência brasileira — foram feitas em 2014, no valor de R$ 500 milhões (R$ 400 milhões da Chamada Pública Proinfra 02/2014 + R$ 100 milhões da Carta Convite 01/2014), e cerca de metade desse valor ainda não foi contratado, por falta de recursos. O resultado foi uma estagnação e deterioração progressiva do infraestrutura básica de pesquisa (prédios, laboratórios) e do parque tecnológico (equipamentos) da ciência nacional nesse período.

“Passamos por momentos difíceis, mas conseguimos dar um fôlego esse ano para pagar o que resta de 2014 e lançar esses novos editais”, disse ao Estado o diretor de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da Finep, Wanderley de Souza. “Nossa expectativa é de uma demanda gigantesca.”

São quatro chamadas no total. A maior delas, no valor de R$ 110 milhões, é para o financiamento de infraestrutura de pesquisa em áreas temáticas estratégicas, como biotecnologia, ciências biomédicas e nanotecnologia. Outra é para a manutenção de biotérios e coleções biológicas já existentes, no valor de R$ 70 milhões. As outras duas, de R$ 20 milhões cada, são voltadas para a consolidação da infraestrutura científica de novas universidades ou campus regionais, e para a finalização de obras iniciadas com recursos de editais anteriores.

“Fizemos visitas a universidades e institutos de pesquisa em todo o país e encontramos muitos equipamentos parados, sem manutenção, e obras inacabadas”, conta Souza. “Precisamos ampliar nosso parque científico, mas também manter bem aquilo que já existe.”

A demanda por esses novos editais, segundo ele, servirá como parâmetro para mensurar o tamanho da demanda reprimida por recursos da ciência brasileira, em função desses quatro anos de cortes orçamentários e contingenciamentos impostos pelo governo federal. Ele reconhece de imediato que R$ 280 milhões não são suficientes para recuperar o atraso, mas é um início. O valor só não é maior porque ainda há R$ 200 milhões a serem pagos dos editais de 2014 — que estão sendo contratados agora pela Finep.

“Esperamos que 2019 será um ano melhor do que os anteriores”, apesar das limitações, aposta Souza.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: