Governo libera recursos para INCTs e Universal 2014, com atraso

Governo libera recursos para INCTs e Universal 2014, com atraso

Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia é recriado; e agências de fomento federais e estaduais vão investir R$ 654 milhões em 101 novos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia. MCTIC receberá R$ 1,5 para quitar todas as suas dívidas. Edital Universal deste ano, porém, segue sem resultados e sem recursos garantidos.

Herton Escobar

10 de novembro de 2016 | 19h49

Reunião do novo Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia. Foto: Beto Barata/PR - 10/11/2016

Reunião do novo Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia. Foto: Beto Barata/PR – 10/11/2016

Boas notícias: O presidente Michel Temer assinou hoje a liberação de R$ 328 milhões para o financiamento de 101 novos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) — uma pendência que se arrastava há um ano e meio, por falta de recursos. Uma contrapartida de igual valor será dada pelas Fundações de Amparo à Pesquisa (FAPs) estaduais, totalizando R$ 654 milhões. “A distribuição dos recursos será feita nos próximos seis anos”, disse o ministro Gilberto Kassab, segundo a notícia veiculada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Os INCTs são uma peça fundamental do sistema de ciência, tecnologia e inovação brasileiro. No primeiro edital do programa, em 2008, foram criados 126 institutos; dos quais 57 foram renovados nesta nova chamada. Os outros 44 são projetos novos. Quase 9 mil pesquisadores e mais de 400 laboratórios participam da rede.

De um total de 345 propostas submetidas pela comunidade científica, 252 foram selecionadas como tendo mérito, mas no fim das contas optou-se por financiar apenas 101. As outras 151 receberão um “Selo INCT” de qualidade, mas terão de buscar recursos em outro lugar. A previsão original do edital era de que o resultado da seleção fosse anunciado em março de 2015, e que o dinheiro começasse a sair em abril, mas a crise econômica fez desmoronar esse cronograma.

A lista completa dos 101 projetos contemplados pode ser acessada aqui: https://goo.gl/SkkSJn. Há institutos dedicados aos mais variados temas, desde câncer e biologia sintética até fotônica e cadeia produtiva do leite. Os INCTs não são institutos físicos (com prédios e funcionários próprios); são redes virtuais de pesquisadores que trabalham em conjunto sobre um determinado tema, voltados tanto para pesquisa básica quanto para o desenvolvimento tecnológico, visando à solução de problemas estratégicos para o país.

Temer também autorizou um repasse de R$ 68 milhões para zerar a dívida do Edital Universal de 2014, do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) — outra pendência que se arrastava há mais de um ano. Era a última parcela que faltava do edital, de R$ 200 milhões, que é o mais tradicional da ciência brasileira e que naquele ano contemplou mais de 5,5 mil projetos.

Tudo isso foi anunciado hoje na primeira reunião do novo Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia (CCT), que foi recriado pelo governo federal após quatro anos sem se reunir. “Se a ciência, tecnologia e a inovação tecnológica não tiverem amparo, ninguém terá um futuro melhor”, disse o presidente Temer, na reunião. No total, segundo ele, serão liberados R$ 1,5 bilhão para o MCTIC quitar todos os seus restos a pagar de anos anteriores.

O novo presidente do CNPq, Mario Neto, disse que não haverá corte de bolsas de produtividade em pesquisa, e que haverá uma recomposição das bolsas de iniciação científica, cortadas em agosto.

Más notícias: O Edital Universal 2014 finalmente vai ser pago por completo, mas o Universal 2016, lançado em janeiro deste ano, também no valor de R$ 200 milhões, continua sem recursos assegurados. Os resultados da chamada deveriam ter sido anunciados em julho, com liberação de recursos a partir de agosto, mas até agora nada. O edital, que normalmente é anual, não foi lançado no ano passado por falta de recursos.

As principais agências de fomento do governo federal — CNPq, Finep e Capes — seguem com seus orçamentos estrangulados, sem previsão de alívio para 2017.

Correção: Esse post afirmava originalmente que a rede de INCTs nascera “menor do que o previsto”. Apesar de nem todos os projetos selecionados terem sido contemplados com recursos, o volume total de investimentos (R$ 654 milhões) equivale ao que estava previsto originalmente no edital de 2014.

Atualizado às 15h30 do dia 11, com informações adicionais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: