Projeto DNA romano

Giovanna Montemurro

24 de novembro de 2011 | 14h48

Quando listamos as descobertas científicas da década segundo a revista Science, um dos itens falava que biomoléculas podem sobreviver milhares de anos, possibilitando que o genoma de mulheres neandertais fosse sequenciado, por exemplo.  Mais um desdobramento dessa descoberta é o projeto Roman DNA Project (Projeto DNA romano). Nele, cientistas estão usando diversos esqueletos de pessoas comuns encontrados em sítios arqueológicos das regiões dominadas pelo império romano para entender mais sobre a formação de sua população. Esse tipo de análise pode esclarecer questões sobre imigração e escravos entre os romanos. A tecnologia de análise do DNA mitocondrial irá, assim, trazer dados muito mais precisos sobre a história nesse período – até então conhecida apenas por registros feitos pelos romanos ricos (que deixavam de lado detalhes sobre essa outra parte de sua sociedade).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: