180 países discutem o futuro do clima no planeta

Buenos Aires será, a partir de hoje, o cenário em que representantes de mais de 180 países debaterão o futuro do clima do planeta, focalizando principalmente o aumento da temperatura global.Com a 10.ª Conferência das Partes da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP-10), começam os debates sobre a adaptação às novas tecnologias para que os processos industriais sejam mais eficazes - e conseqüentemente menos nocivos ao ambiente e ao clima. O evento segue até o dia 17.A lista de catástrofes naturais deste ano está atraindo uma atenção mais intensa do que o costumeira sobre esta cúpula, já que 2004 foi pleno de furacões, inundações, aumento de chuvas torrenciais, longas secas, além do derretimento de geleiras nos Alpes e nos Andes.De quebra, há poucas semanas, uma conferência ambiental realizada na cidade australiana de Cairns indicou que os ciclones vão se multiplicar na área do Pacífico, além de incêndios de bosques, intensa erosão das áreas litorâneas, destruição de recifes de coral e mangues, além de fortes tempestades de poeira.OtimismoApesar do cenário terrível, a COP-10 começa com uma parcela extra de otimismo, reforçada pela adesão da Rússia ao Protocolo de Kyoto. Com isso, o tratado começa a vigorar em 16 de fevereiro.Há poucos meses, o governo do presidente Vladimir Putin - por pressões da União Européia - decidiu colocar a rubrica no Protocolo criado em 1997, no qual definem-se metas para reduzir as emissões de gases que produzem o efeito estufa, principalmente o dióxido de carbono (CO2).Os militantes argentinos da organização internacional Greenpeace consideram que a entrada da Rússia é um "ponto de inflexão" no Protocolo de Kyoto, "fato que muda o clima da negociação". No entanto, o Greenpeace mantém seu ceticismo e afirma que a notícia, embora positiva, chega com vários anos de atraso."Mais ainda se levarmos em conta a oposição ao Protocolo, realizada pelos Estados Unidos e a Austrália, que não somente se opõem. Eles têm uma atitude declaradamente beligerante contra Kyoto", sustenta Juan Carlos Villalonga, diretor de campanhas do Greenpeace na Argentina.AnfitriõesO governo argentino, anfitrião da COP-10, ambiciona dar um grande passo nesta cúpula, pois pretende elaborar um plano de ação que permita que os países se adaptem às alterações climáticas."Não vamos somente analisar como enfrentaremos as conseqüências das mudanças climáticas, mas também procuraremos soluções para suas causas", declarou Atilio Savino, secretário de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável das Argentina."Desta vez, a cúpula climática não foi armada com base numa ilusão que depois acaba não sendo cumprida, como aconteceu nas reuniões anteriores."Além dos enviados especiais dos governos também participarão da COP-10 os representantes de 17 organismos intergovernamentais. Na lista daqueles que defenderão seus próprios interesses estarão os representantes dos setores empresariais de energia, comércio, indústria, produção agropecuária e dezenas de ONGs.   leia mais

Agencia Estado,

06 de dezembro de 2004 | 11h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.