4 poços em SP podem ter sido poluídos pela Shell

A vigilância sanitária lacrou, nesta segunda-feira, quatro poços artesianos que abasteciam o Condomínio Auri Verde, onde moram 112 famílias, e três empresas na Vila Carioca, zona sul de São Paulo. Os poços ficam próximos a um depósito da Shell que funcionava sem alvará há 17 anos e podem estar contaminados por substâncias químicas manipuladas pela empresa.Os quatro poços e outros dois na mesma região já tinham sido interditados no dia 20, mas não foram lacrados para que técnicos da Sabesp pudessem recolher o material para análise, o que foi feito nesta segunda. "O resultado deve estar pronto dentro de 10 dias. Dois poços não precisaram ser lacrados porque não eram utilizados havia mais de 15 anos", disse o diretor de vigilância sanitária Ruy Dammenhain, responsável pela fiscalização no Municipío.Segundo ele, apenas o condomínio utilizava a água para consumo. "A partir do relatório de análise do material, decidiremos de que forma proceder com o monitoramento dos moradores." Moradores do Condomínio Auri Verde, localizado na Rua Auriverde, 1.814, a menos de 150 metros do depósito da multinacional, reclamam de dores de cabeça, nos rins e fígado, além de tonturas - sintomas de contaminação por pesticidas e metais pesados.

Agencia Estado,

27 de maio de 2002 | 22h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.