68% das injeções nos glúteos não funcionam

Mais de dois terços das injeções dadas nos glúteos dos pacientes não conseguem fornecer a dose prevista porque a camada de gordura é mais espessa e as agulhas não conseguem atingir o músculo, segundo um estudo divulgado em um congresso médico em Chicago."Nosso estudo demonstra que a maioria das pessoas, principalmente as mulheres, não recebe a dose adequada através de injeções nas nádegas. Não resta dúvida de que a obesidade é a causa fundamental", observou Victoria Chan no congresso da Sociedade Radiológica da América do Norte.Segundo um comunicado divulgado na segunda-feira à noite, Chan explicou que "68% das injeções intramusculares não alcançam o músculo glúteo. A quantidade de tecido adiposo sobreposto excede o comprimento das agulhas geralmente empregadas".A pesquisadora, do Hospital Adelaide and Meath, de Dublin, naIrlanda, afirmou que o tecido adiposo tem menos vasos sanguíneos que o muscular e, portanto, uma menor quantidade do remédio injetado é absorvida pelo sistema circulatório.Como conseqüência, "o paciente ou não recebe o benefício máximo do medicamento ou não recebe benefício algum, porque os níveis do remédio no sangue não são suficientes para surtir efeito".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.