70% da população aprova qualidade do ensino, diz Ibope

Para 68% dos entrevistados, a educação é de total e única responsabilidade dos governantes

Cecília Nascimento, da Agência Estado,

15 de setembro de 2008 | 19h54

Levantamento do Ibope Pesquisa divulgado nesta segunda-feira, 15, mostra que 63% da população não faz nada pela educação, ou seja,  não chama para si a responsabilidade pela qualidade do ensino no País e tampouco participa da sua melhoria ou se sente motivado a contribuir. O estudo indica que, para 68% dos entrevistados, a educação é de total responsabilidade dos governantes.   Os dados foram apresentados em São Paulo durante o lançamento do projeto Educar para Crescer, com a presença do ministro da Educação, Fernando Haddad, do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, e representantes do setor educacional. A pesquisa constata que 70% dos brasileiros estão satisfeitos com a qualidade do ensino no País.   Para Claudia Costin, ex-secretária de Cultura do Estado de São Paulo e encarregada de apresentar a pesquisa, essa satisfação é fruto do desconhecimento da população em relação aos principais problemas da educação. Segundo o levantamento, 70% dos brasileiros não fazem idéia do que seu prefeito está fazendo pela educação do município. E embora 69% apontem o tema como um dos principais setores nos quais o governo deveria investir, só 1% considera as propostas de educação dos políticos na hora de votar.   Os brasileiros também estão satisfeitos com a escola dos seus filhos e dão nota 7 para os estabelecimentos de ensino, em média, avaliando-se a escola pública e a privada. Apenas 9% deram nota inferior a 5. A população acha que nosso Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) é de 5,5. A estimativa é de que essa média seja alcançada somente em 2017. A média atual é de 4,2.   Quase 90% dos entrevistados colocam a educação em 5º lugar na lista dos principais problemas do País, atrás de segurança (com 30% das menções), atuação dos governantes (17%), trabalho (13%) e saúde (11%).   O Ibope perguntou quais são os objetivos mais importantes para se obter educação básica de boa qualidade. As alternativas mais apontadas foram ensinar adequadamente as matérias (31%), nenhum (28%), oferecer perspectiva de realização profissional (24%), assegurar igualdade de oportunidade (19%) e formar cidadãos críticos e conscientes (18%).   Entre as medidas que deveriam ser tomadas pelos governantes, duas tiveram se destacaram na opinião dos entrevistados: melhorar o salário (46%) e a capacitação dos professores (37%). Foram entrevistados 1.000 homens e mulheres, de 16 a 69 anos, de todas as classes sociais e residentes de nove regiões metropolitanas: Salvador, Fortaleza, Recife, Distrito Federal, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro e São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
qualidade do ensinohaddad

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.