Joe Raedle/Getty Images/AFP
Joe Raedle/Getty Images/AFP

Primeira missão tripulada da Nasa ao espaço em nove anos é cancelada por causa do mau tempo

Seria o primeiro voo espacial promovido pelo governo dos Estados Unidos desde 2011

Joey Roulette, Reuters

27 de maio de 2020 | 05h00
Atualizado 27 de maio de 2020 | 18h35

O lançamento do foguete Falcon 9 da empresa aeronáutica SpaceXque levaria astronautas da Nasa ao espaço depois de nove anos, foi suspenso por causa do mau tempo na Flórida.

"Infelizmente não lançaremos hoje", disse Mike Taylor, diretor da SpaceX, aos astronautas da Nasa Bob Behnken e Doug Hurley, acrescentando que o clima não melhoraria até dez minutos após o horário programado para decolagem. A viagem  foi remarcada para a tarde de sábado, 30.

O lançamento estava agendado para 16h33, horário local (17h33 no Brasil). O presidente Donald Trump, sua esposa, Melania, o vice-presidente, Mike Pence e o chefe da Nasa, Jim Bridenstine, compareceram ao centro espacial Kennedy. A contagem regressiva foi interrompida menos de 17 minutos antes do foguete decolar, levando os astronautas a uma viagem de 19 horas a bordo da recém-projetada cápsula Crew Dragon. O destino seria a Estação Espacial Internacional. 

O lançamento foi programado para um dia em que houve chuva constante. O estado da Flórida e o Serviço Nacional de Meteorologia emitiram um aviso de tornado para a área. Os gerentes de operações de voo estavam monitorando diversas condições climáticas, incluindo a ameaça de raios, mesmo quando as equipes começaram a carregar o foguete com combustível.

Para a Nasa, a SpaceX e Musk, um lançamento seguro representaria um marco na busca pela produção de espaçonaves reutilizáveis, o que tornaria viagens espaciais mais baratas. Musk é o fundador e CEO da Spacex e também o CEO da Tesla. 

“Bob e eu estamos trabalhando nesse programa há cinco anos, todos os dias”, disse Hurley, de 53 anos, na chegada com Behnken, de 49, ao centro espacial Kennedy na semana passada. “De diversas formas, foi uma maratona e isso é o que você pode esperar no desenvolvimento de um veículo de transporte humano que pode ir e voltar da Estação Espacial Internacional.” 

A Nasa, na esperança de estimular um mercado espacial comercial, concedeu US$ 3,1 bilhões à SpaceX e US $ 4,5 bilhões à Boeing Co para o desenvolvimento de cápsulas espaciais de duelo, experimentando um modelo de contrato que permite à agência espacial comprar assentos das duas empresas. A cápsula Boeing CST-100 Starliner deverá ser lançada em 2021. 

Jim Bridenstine, da Nasa, declarou que a missão estava pronta depois de checagens finais de engenharia. A SpaceX testou com sucesso a Crew Dragon sem astronautas no ano passado, na sua primeira missão à estação espacial. O veículo acabou destruído no mês seguinte durante um teste em solo quando uma das válvulas do sistema de emergência explodiu. O caso levou a uma investigação que se estendeu por nove meses e foi encerrada em janeiro./COM INFORMAÇÕES DA AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.