Abuso sexual de crianças pode causar alterações genéticas

Cientistas mostram que suicidas que foram abusados quando crianças apresentavam alterações no cérebro

Reuters

07 de maio de 2008 | 18h23

Suicidas que foram abusados sexualmente quando crianças têm claras alterações genéticas em seus cérebros, relataram pesquisadores canadenses na terça-feira, 6, em uma descoberta que prova, segundo eles, que a negligência pode causar efeitos biológicos.  As descobertas oferecem maneiras potenciais de encontrar pessoas com alto risco de suicídio, e, talvez, tratá-las, prevenindo futuros suicídios. Segundo os pesquisadores, resultados também apresentam pistas sobre como negligência e abuso podem perpetuar comportamentos pouco saudáveis por gerações.  Moshe Szyf da Universidade McGill em Montreal e sua equipe estudaram os cérebros de 18 homens que cometeram suicídio e que também foram abusados ou negligenciados quando crianças, e compararam com 12 homens que também morreram repentinamente mas de outras causas, e que não foram abusados, embora alguns deles tivessem diversos problemas psiquiátricos.  Eles encontraram mudanças genéticas em todos os 18 suicidas. As mudanças não estavam nos genes, eles próprios, mas no RNA ribossômico.

Tudo o que sabemos sobre:
abuso infantilsuicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.