Divulgação/Cern
Divulgação/Cern

Acelerador de partículas LHC é religado após manutenção

Cientistas estimam que a 'Máquina do Big Bang' alcançará sua velocidade máxima em até quatro semanas

Reuters,

01 Março 2010 | 11h51

Após uma curta pausa para manutenção, os feixes de partículas voltaram a circular na "máquina do Big Bang" que existe sob a fronteira França-Suíça e devem alcançar sua velocidade máxima dentro de duas a quatro semanas, disse uma porta-voz da Organização Europeia de Pesquisa Nuclear (Cern) nesta segunda-feira, 1.

 

Veja também:

link'Máquina do Big Bang' pode revelar partícula misteriosa

linkAcelerador europeu do 'Big Bang' bate novo recorde

especial O experimento que testa os limites da Física

 

"Tivemos uma parada técnica no Natal e isso acabou. Os feixes estão circulando novamente", afirmou Barbara Warmbein à Reuters.

 

As colisões com a máxima energia possível, imitando as condições no momento seguinte à criação do universo, 13,7 bilhões de anos atrás, devem ocorrer quando o chamado colisor de hádrons alcançar sua velocidade máxima.

 

Cientistas de todo o mundo vão vasculhar os resultados em busca da elusiva partícula chamada bóson de Higgs, cuja existência foi prevista há três décadas pelo cientista escocês Peter Higgs para explicar como a matéria se juntou e formou o universo.

 

"O plano é funcionar com essas energias por 18 a 24 meses, para dar aos experimentadores os dados que eles precisam para trabalhar", disse Warmbein.

 

O Grande Colisor de Hádrons é a maior máquina já construída. Ele chegou a despertar temores infundados de que poderia criar buracos negros capazes de destruir a humanidade, e foi citado também no best-seller "Anjos e Demônios", de Dan Brown.

 

O aparelho foi ativado pela primeira vez em setembro de 2008, mas parou dez dias depois por causa do superaquecimeento no túnel circular de 27 quilômetros. O projeto atrai milhares de físicos do mundo todo e custa cerca de US$ 10 bilhões.

Mais conteúdo sobre:
LHCacelerador de particulasCern

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.