Achada ligação entre proteína e Alzheimer

Pesquisadores americanos estão desenvolvendo um tratamento contra Alzheimer com base em uma proteína capaz de paralisar a progressão da doença em animais de laboratório.

, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2010 | 00h00

De acordo com os cientistas do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), a ativação da proteína sirtuína em ratos foi capaz de suprimir a doença. Quando a proteína era destruída, os sintomas voltavam.

O resultado do trabalho também aumenta a esperança de que outras doenças neurodegenerativas, como a de Parkinson e a de Huntington, possam ser tratadas com remédios que ativem essa mesma substância.

Para Dennis Selkoe, da Escola Médica da Universidade Harvard, a descoberta de que a sirtuína estaria ligada à biologia da doença "chama a atenção", embora as implicações terapêuticas "ainda estejam no ar".

Juan Troncoso, da Escola de Medicina da Universidade Johns Hopkins, diz que o estudo "abre um bom caminho para um futuro tratamento da doença". Ele ressalta, no entanto, que ainda há muitos desafios técnicos.

Substâncias que ativam a sirtuína já existem na natureza, como a resveratrol, encontrada em uvas e no vinho tinto. No entanto, elas não conseguem atingir o cérebro. Romper essa barreira é um dos desafios da pesquisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.