Achado fóssil de monstro marinho que poderia engolir um carro

Pesquisadores disseram na quarta-feira queum "monstro marinho" de 15 metros, achado fossilizado no Árticonorueguês, é o maior já descoberto, e que sua boca com dentesafiados seria capaz de engolir um carro pequeno. Esse pliossauro, que viveu há 150 milhões de anos (foicontemporâneo dos dinossauros), é cerca de 5 metros maiscomprido do que o maior tipo até agora conhecido, achado naAustrália. "É uma nova espécie, e o maior pliossauro já comprovado",disse Joern Hurum, paleontólogo do Museu de História Natural deOslo, responsável pela expedição que escavou o fóssil noarquipélago de Svalbard, a 1.300 quilômetros do Pólo Norte. "Um carro pequeno poderia caber dentro da sua boca", disseele à Reuters, acrescentando que só a mandíbula inferior medecerca de três metros. O fóssil está guardado num porão. O museu informou que os pliossauros eram os principaispredadores marinhos do Jurássico, caçando antecessores de lulase peixes, além de outros répteis marinhos. Mas um outro tipo de réptil marinho, o ictiossauro, eramaior, atingindo até 23 metros. "O pliossauro não é o maiormonstro marinho, mas é provavelmente o mais feroz", dissehurum, acrescentando que o fóssil tem dentes afiados, dotamanho de um pepino cada um. Estimativas anteriores davam ao pliossauro norueguês,popularmente conhecido como "O Monstro", 12 metros decomprimento, o que o colocava mais ou menos no mesmo tamanho docronossauro australiano. A descoberta no Ártico "demonstra que esses animaisgigantes habitavam os mares do norte do nosso planeta durante aera dos dinossauros", afirmou Patrick Druckenmiller, do Museuda Universidade do Alasca, que participou da expedição. O museu norueguês disse que pretende enviar outra expediçãoem meados do ano para escavar o crânio e esqueleto de outropliossauro gigante recentemente achado perto do "Monstro".

ALISTER DOYLE, REUTERS

27 de fevereiro de 2008 | 17h28

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIAFOSSILMONSTRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.