Ações do papa já reanimam pastorais familiares e sociais

Com estímulo a CEBs e questionamentos sobre temas como nulidade matrimonial, muitos veem 'portas entreabertas'

Luciana Nunes Leal/ Rio, O Estado de S.Paulo

12 Janeiro 2014 | 02h02

Em novembro, o padre Niraldo Lopes de Carvalho, de 46 anos, coordenador das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) do Rio, se surpreendeu com o grande número de líderes comunitários presentes em um encontro em Sepetiba, na zona oeste. Como muitos religiosos ligados a pastorais sociais e da família, ele acredita que as iniciativas do papa Francisco em defesa de uma Igreja mais acolhedora já começam a provocar avanços.

Neste mês, o papa enviou uma mensagem de estímulo ao encontro internacional das CEBs, que reuniu 4 mil pessoas no Crato (CE), entre os dias 7 e 11 deste mês. Foi a primeira vez que um pontífice saudou o Intereclesial, na 13.ª edição. Francisco disse que as comunidades de base "trazem um novo ardor evangelizador e uma capacidade de diálogo com o mundo que renovam a Igreja".

Incentivadas pela Teologia da Libertação, as CEBs seguiram o mesmo caminho da corrente que teve expoentes como o peruano Gustavo Gutierrez e o brasileiro Leonardo Boff: se fortaleceram nos anos 1970 e começaram a ser esvaziadas em meados da década seguinte. A expectativa nos movimentos sociais é de que as CEBs ganhem atenção com Francisco, que já recebeu Gutierrez e deverá também se reunir com Boff.

A passagem do papa pelo Rio, em julho, deixou marcas na cidade que as pastorais começam a sentir na prática. "O papa diz que a Igreja tem de ir ao encontro dos que vivem a realidade da exclusão. Quem trabalha nas comunidades se sente legitimado. O arcebispo, d. Orani Tempesta, sempre foi muito acessível, mas é uma questão cultural. A porta estava entreaberta. Agora, abriu um pouco mais", afirma padre Niraldo.

A mesma imagem é usada por frei Almir Ribeiro Guimarães, da Ordem Franciscana Secular do Brasil, atuante nas pastorais da família. "Há portas entreabertas, estamos respirando um ar melhor", resume o frade.

Na avaliação de religiosos e teóricos católicos, o primeiro passo no caso das famílias será facilitar a nulidade dos matrimônios, o que permite novo casamento. O assunto está em um questionário distribuído às dioceses do mundo inteiro, preparatório para o encontro de bispos que discutirá os desafios pastorais da família, em outubro. O padre e historiador José Oscar Beozzo lembra que só a consulta às dioceses é uma inovação - anteriormente, o Vaticano já oferecia um texto pronto.

Com a experiência de quem conheceu sete papas, o correspondente do jornal espanhol El País no Brasil, Juan Arias, diz que Francisco promove "a maior revolução que aconteceu na Igreja". "A periferia vai estar feliz e os que têm carros de luxo vão sofrer. Com o tempo, o papa vai nomear cardeais mais próximos de sua revolução."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.