Acordo garante votação da lei da Mata Atlântica

Governo, ambientalistas e deputados ligados a agricultura fecharam acordo para permitir a votação, ainda nesta quarta-feira, no plenário da Câmara, do projeto que regulamenta o uso e a proteção da Mata Atlântica. Para garantir a aprovação, todos os interessados fizeram concessões. O acordo foi fechado em reunião que durou cerca de três horas entre os líderes partidários governistas e de oposição e membros do ministério do Meio Ambiente.O deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP) informou que, pelo acordo, os Estados poderão interferir em áreas da Mata Atlântica em caso de utilidade pública, como por exemplo, construção de estradas. Os setores ligados a agricultura também foram contemplados na negociação. Foi acatada uma emenda estabelecendo indenização para os proprietários que forem prejudicados com a proibição de exploração do imóvel rural. O setor de reflorestamento, onde havia grande resistência ao projeto, também foi atendido. A silvicultura ficará de fora de algumas restrições da lei.O autor da proposta original em 1992, ex-deputado Fábio Feldman, considera um avanço a votação da proposta, mesmo com as modificações. ?Conseguimos preservar a mata original que ainda existe. É um grande avanço?, afirmou. Segundo os ambientalistas, os remanescentes de vegetação nativa da Mata Atlântica cobrem hoje cerca de 7,2% do existente originalmente no País.

Agencia Estado,

03 de dezembro de 2003 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.