Acusado de matar policiais é transferido para penitenciária em Rondônia

'Léo Gordo' também é suspeito de integrar quadrilha que assaltava caixas eletrônicos

José Maria Tomazela,

21 Janeiro 2013 | 18h37

SOROCABA - O traficante Leandro Rafael Pereira da Silva, o "Léo Gordo", de 28 anos, preso em novembro de 2012, acusado de participar do assassinato de policiais militares em São Paulo, foi transferido nesta segunda-feira para uma penitenciária federal em Rondônia. Ele estava preso havia um mês na Penitenciária Estadual de Avaré (SP).

A Secretaria de Administração Penitenciária não divulgou o destino do acusado, alegando questão de segurança. "Léo Gordo" foi retirado da penitenciária por volta das 8h30 desta segunda e levado por um comboio de viaturas da Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota), da Polícia Militar, ao Aeroporto de Arandu, cidade vizinha. Ele seguiu para Rondônia num avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

"Léo Gordo" é acusado de participar da execução de pelo menos dois policiais militares em São Paulo, no ano passado. Ele teria recebido da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) a ordem de eliminar cinco policiais em um prazo de dez dias. O criminoso teria participado diretamente de uma execução e chegou a recrutar "mão de obra" para outros assassinatos. Dono de uma empresa de transporte coletivo, "Léo Gordo" também é suspeito de integrar uma quadrilha que assaltava caixas eletrônicos e roubava relógios caros.

Em novembro do ano passado, o traficante Francisco Antonio Cesário da Silva, conhecido como "Piauí", também fora transferido de Avaré para a Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia. Ele é apontado como autor de uma lista de policiais militares e civis marcados para morrer, descoberta numa favela de São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.