Advogado quer examinar conduta da Shell no Brasil

A proposta de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Câmara dos Deputados, feita pelo deputado federal Luciano Zica (PT), para apurar a omissão de órgãos públicos no caso da contaminação da Shell Química no bairro Recanto dos Pássaros, em Paulínia, 126 quilômetros a noroeste de São Paulo, somente será relevante se a investigação se estender também à conduta da empresa, disse nesta quinta-feira o advogado Waldir Tolentino de Freitas, que representa os ex-funcionários da Shell e os ex-moradores do bairro.?No momento, nos interessa mais examinar a atitude da Shell no trato das questões no Brasil?, alegou o advogado. Os cerca de 290 moradores do Recanto dos Pássaros foram removidos do local. A Shell, que contaminou a área com organoclorados nos anos 70 e 80, comprou a maioria das 66 propriedades do bairro.Cinco famílias ainda estão negociando a venda, quatro foram instaladas em um hotel, com despesas pagas pela indústria, e uma se mudou para a casa de parentes. Tolentino disse que os aproximadamente 800 ex-funcionários da empresa querem se submeter a exames médicos completos.A Shell informou que disponibilizou o Hospital Albert Einstein, em São Paulo, mas Tolentino alegou que os ex-empregados preferem escolher eles próprios um hospital sem vínculo com a indústria.Cinco ex-funcionários conseguiram na Justiça, a partir de laudos médicos, que a Shell lhes pague pensão de R$ 600 por mês para custear tratamento médico. No processo, eles pedem ainda indenização de R$ 700 mil e pensão vitalícia entre R$ 1 mil e R$ 1,5 mil por mês. A Shell informou que ainda não foi notificada sobre a decisão judicial. Tolentino acrescentou que outros sete ex-empregados deverão ingressar com a mesma ação.

Agencia Estado,

09 de maio de 2003 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.