África e Ásia assistem ao primeiro eclipse do Sol de 2010

Eclipse foi do tipo anular, com a Lua centralizada sobre o Sol, mas sem cobrir de vez a face da estrela

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

15 Janeiro 2010 | 13h28

Milhares de pessoas na África e na Ásia assistiram a um eclipse anular do Sol nesta sexta-feira, 15. A rota do eclipse começou na África, passando pelo Chade, a República Democrática do Congo, Uganda, Quênia e Somália antes de cruzar o Oceano Índico, onde atingiu o ponto máximo.

 

BLOG: Um olhar Sobre o Mundo - imagens do eclipse desta sexta

 

A duração máxima da anularidade - quando a sombra da Lua aparece centralizada sobre o disco solar -, foi de mais de 11 minutos, a maior prevista para este milênio. Uma duração superior só é esperada para 3043, segundo a Nasa. O eclipse prosseguiu pela Ásia, onde foi visível nas Maldivas, sul da Índia, partes do Sri Lanka, Mianmar e China.

 

O eclipse, visto sobre o céu da cidade de Bagan, em Mianmar, nesta sexta-feira. Khin Maung Win/AP 

 

O eclipse desta sexta-feira foi do tipo chamado anular porque, embora a sombra da Lua chegue a ficar centralizada sobre o Sol -  como ocorre nos eclipse totais - ela não encobre a face solar por completo.

 

Um fator que contribui para um eclipse seja anular e não total é a distância entre o Sol e a Terra. Como a órbita terrestre não é perfeitamente circular, mas elíptica, em parte do ano o planeta está mais próximo da estrela. Por conta disso, nessa época o Sol aparece um pouco maior no céu.

 

Minarete de mesquita corta o Sol, já no fim do eclipse anular, no Paquistão. B.K.Bangash/AP

 

O periélio - ponto da órbita em que a Terra está mais próxima do Sol - ocorreu, neste ano, em 2 de janeiro, quando o planeta chegou a 146 milhões de quilômetros do Sol, cerca de 5 milhões de quilômetros mais próximo do que no ponto de maior afastamento, o afélio, que ocorre no início de julho.

 

E é em julho, mais precisamente no dia 11, que ocorre o segundo eclipse do Sol deste ano. Este será total: a sombra da Lua cobrirá o Sol por completo, deixando visível apenas a chamada corona, ou atmosfera, solar.

 

Eclipses totais são considerados mais interessantes pelos cientistas, porque permitem a observação direta da corona, que normalmente é obscurecida pela luz intensa do disco solar. O eclipse total será visível, na América do Sul, em partes do Chile e da Argentina.

 

(com Associated Press)

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.