Agência tira Abrolhos das áreas de exploração de petróleo

A Agência Nacional de Petróleo (ANP) excluiu 162 áreas para exploração de petróleo e gás das 1.070 que serão levadas a leilão na semana que vem. A retirada de oito blocos terrestres e 154 marítimos na região do Arquipélago de Abrolhos (BA) foi publicada hoje no Diário Oficial da União e é uma vitória de organizações não-governamentais. Tanto a ANP quanto o Ibama não souberam informar se a suspensão será permanente.As ongs encaminharam ao Ibama, em maio, dossiê sobre o impacto ambiental da exploração petrolífera na região e pediram que 243 blocos fossem suspensos. O Ibama referendou parte do documento e recomendou, na sexta-feira passada, as mudanças na licitação, mantendo, no entanto, 81 áreas.Hoje, o gerente do programa marinho da Conservation International, organização não-governamental que capitaneou o estudo, Guilherme Fraga Dutra, cruzou as informações sobre os blocos excluídos do leilão e o mapa da área. A conclusão foi tranqüilizadora. ?O coração de Abrolhos está preservado. Estávamos preocupados com os blocos não-excluídos, mas a área de maior biodiversidade marítima da costa brasileira saiu da rodada de licitação?, disse. "Mas a questão não está resolvida. Estamos estudando novos mecanismos que protejam definitivamente a área?, afirmou.A decisão irritou o secretário de Desenvolvimento Econômico do Espírito Santo, Júlio Bueno. O Estado seria beneficiado com os royalties da exploração petrolífera da área. ?Essa decisão não afeta somente o Espírito Santo, mas todo o País. Inibe os investidores estrangeiros. Segundo ele, ?uma ong internacional faz um relatório e muda completamente o que estava acertado e autorizado pelo Ibama. É muito estranho".

Agencia Estado,

14 de agosto de 2003 | 19h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.