Thomas Nylen/NSF
Thomas Nylen/NSF

Água de degelo forma lagos sob manto glacial da Groenlândia

Pesquisa publicada na Nature revela que gelo derretido na superfície está formando lagos de até dois quilômetros

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

21 Janeiro 2015 | 20h53

SÃO PAULO - Um grupo de cientistas dos Estados Unidos revelou pela primeira vez, sob os mantos de gelo da Groenlândia, a existência de lagos de água de degelo proveniente do derretimento da superfície. Formando crateras de dois quilômetros de diâmetro, os lagos sob a camada de gelo se esvaziam periodicamente - liberando bilhões de litros de água no oceano - para depois se encherem novamente. De acordo com os cientistas, a água desses lagos aquece o manto de gelo por baixo - o que acelerar ainda mais seu derretimento, alterando a maneira como ele responde às mudanças climáticas.

O estudo, publicado hoje na revista Nature, foi liderado por cientistas da Universidade Cornell (Estados Unidos). Segundo o autor principal do artigo, Michael Willis, a descoberta fornece informações importantes sobre o aquecimento da atmosfera e seu efeito na zona crítica da base do manto de gelo.

"Testemunhamos a água de degelo abrindo caminho até a base do gelo, onde fica armazenada no encontro entre a base rochosa do manto de gelo e o gelo propriamente dito. Quando esse lago subglacial é preenchido com a água de degelo da superfície, o calor liberado pela água aprisionada amolece o gelo ao seu redor. Isso pode eventualmente aumentar o fluxo de derretimento", disse Willis.

Aumento. A ligação direta entre a água de degelo da superfície e o preenchimento de lagos na base do gelo nunca havia sido vista antes. Nos últimos anos, o número de lagos na superfície do manto de gelo da Groenlândia aumentou dramaticamente. Os lagos de superfície também estão ocorrendo em áreas muito mais internas da ilha e em altitudes maiores que no passado. Se o mecaniosmo de transferência de água e calor dos lagos da superfície para a base gelada for um fenômeno comum, segundo os cientistas, é provável que o manto de gelo da Groenlândia responda às mudanças climáticas mais rapidamente que se previa.

O manto de gelo da Groenlândia compreende cerca de 80% da superfície da ilha. Estudos anteriores apontaram que o manto de gelo está derretendo em velocidade mais alta por conta da mudança climática. O movimento da água derretida sob o manto de gelo, de seu interior para o oceano, tem sido o tema de muitos estudos, já que pode controlar a velocidade do derretimento.

O novo estudo foi iniciado em 2012, quando Willis e sua equipe faziam um mapeamento das mudanças glaciais nas bordas do manto de gelo no noroeste da Groenlândia, na tentativa de compreender o quanto a aceleração da perda glacial na ilha seria causada pelo derretimento e o quanto seria produzida por blocos de gelo que se desprendem e se lançam à deriva no oceano.

Durante a pesquisa, Willis avistou um buraco de cerca de 70 metros de profundidade - o equivalente a um prédio de 10 andares - que havia sido formado quando um lago subglacial, bem longe da superfície do gelo, se esvaziou em meados de 2011. De acordo com o pesquisador, os lagos subglaciais são raros na Groenlândia e a presença de um deles no extremo noroeste da ilha foi uma surpresa, já que o gelo nessa região é muito fino e muito frio para permitir o derretimento sob a calota glacial.

Entre 2012 e 2014, Willis observou como a água de degelo do verão, na superfície do gelo, abria caminho por fendas no entorno do buraco e reabastecia o lago vazio na base da calota de gelo. Quando a água parou de fluir na superfície, o lago subglacial parou de ser preenchido. "A cada verão, os cientistas veem riachos azuis claros se formando na superfície da Groenlândia, enquanto o ar quente derrete o manto de gelo. O que acontecia a essa água quando ela desaparecia nas fendas do gelo ainda era um mistério", afirmou Willis.

Os cientistas conseguiram identificar quando o lago subglacial foi reabastecido utilizando dados coletados de imagens de alta resolução de um satélite da Universidade de Minnesota e dados da operação IceBridge, da Nasa. A equipe calculou que o lago sob o gelo foi inundado até a metade, quando começou a se esvaziar em 2011, em um volume de 215 metros cúbicos por segundo. Quando o lago se reabastece, a água de degelo da superfície carrega calor armazenado - ou calor latente - da atmosfera relativamente quente para as profundezas geladas. O calor latente reduz a dureza do gelo ao redor do lago e faz com que mais gelo flua para o mar.

Mais conteúdo sobre:
ciência aquecimento clima groenlândia gelo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.