Aids mata uma criança por minuto, alerta Unicef

Uma criança morre a cada minuto por uma doença relacionada com a aids, e nesse mesmo intervalo de tempo outro menor de 15 anos e pelo menos outros quatro jovens de até 29 contraem o vírus, informou nesta terça-feira o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)."A cada 15 segundos um jovem entre 15 e 24 anos contrai a aids", grande parte deles na Europa do Leste e na Ásia Central, "a região do mundo em que mais rapidamente se propaga a doença", alertou o técnico do clube de futebol Manchester United, Alex Ferguson, em entrevista coletiva."As estatísticas dão medo", diz Ferguson, mas são necessárias para que "nos demos conta de que é urgente lutar contra a doença e contra sua incidência entre os mais jovens".Como embaixador da Unicef, Ferguson participou da apresentação de uma campanha mundial para lutar contra a aids entre as crianças durante os próximos cinco anos.Eles são "os grandes esquecidos" nas iniciativas tomadas na luta contra a doença, apesar da estimativa de que há 2,1 milhões de menores de 15 anos afetados, explicou o diretor Regional de Unicef para a Europa, Philip O´Brien.Durante seu discurso, Ferguson lembrou que a cada minuto morre uma criança menor de 15 anos de uma doença relacionada à aids e que até 2 milhões estão infectadas pelo HIV. Além disso, menos de 5% dos menores soropositivos têm acesso aos medicamentos pediátricos que necessitam e não chega a 10% a porcentagem de menores órfãos e com o vírus a receber apoio do poder público.Pais"Há 15 milhões de crianças que enfrentam a tragédia de haver perdido um ou ambos os pais por causa de doenças relacionadas à aids", afirmou Ferguson. Por isso, no que se refere às mães grávidas soropositivas, menos de 10% têm acesso aos serviços para prevenir a transmissão do HIV a seus bebês, segundo indicam os dados divulgados pela Unicef.A campanha, denominada "Unidos pelas crianças, unidos contra a aids", tem o objetivo de prevenir a transmissão do HIV de mães para filhos, assim como facilitar os tratamentos pediátricos, prevenir a infecção entre adolescentes e jovens, e proteger e dar auxílio aos menores infectados pelo vírus.Entre os objetivos concretos da campanha está assegurar que, até 2010, 80% das mulheres sejam informadas sobre os riscos de transmitir a doença a seus filhos.No mesmo prazo, pretende-se também que 80% das crianças portadores do vírus que necessitem tratamento o recebam e que o número de jovens que convivem com a aids, que atualmente é cerca de 10 milhões, seja reduzido em 25%.Leste Europeu e Ásia CentralUma das principais regiões focalizadas pela campanha será a Europa do Leste e Ásia Central, onde se calcula que há 1,4 milhões de pessoas infectadas pelo HIV, das quais 210 mil contraíram a doença durante o ano passado.Nessa região, mais de 80% das pessoas que contraem a doença têm entre 15 e 29 anos, enquanto na Europa Ocidental essa percentagem não supera 30%, explicou a diretora da Unicef para Europa Oriental e Ásia Central, Maria Calivis.Segundo seus dados, cerca de 60 mil pessoas morreram na região em 2004 por causa da aids e, delas, 1.100 tinham menos de quinze anos.Durante o ano passado, a Unicef calcula que até 1.800 crianças menores de 15 anos foram infectadas na Rússia e que 43% dos infectados com aids eram mulheres (contra o 20% em 2000). Isso significa que, dos 100 novos casos diários registrados, em média, na Rússia, 43 deles são de meninas ou adolescentes.Na Ucrânia, as mulheres infectadas já representam 40% dos novos casos, o que aumenta a probabilidade da propagação da doença se não houver campanhas apropriadas de informação e prevenção."Sem intervenções preventivas, cerca de um terço dos recém-nascidos de mães soropositivas terão contraído a doença durante a gravidez ou o parto", afirmou a Unicef.

Agencia Estado,

25 de outubro de 2005 | 16h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.