Al Gore pede solução global para crises financeira e climática

O ex-vice-presidente dos EUA destacou que aquecimento global é 'real' e pode chegar a ser 'catastrófico'

Efe

16 de outubro de 2008 | 20h45

O prêmio Nobel da Paz de 2007 e ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore comparou nesta quinta-feira, 16, a "crise" climática com a crise financeira atual e considerou que em ambos casos a solução deve ser global.   Veja também:  Cúpula da UE concorda em manter metas contra efeito estufa   Gore fez na cidade de Bilbao, no norte da Espanha, uma conferência sob o título "Pensando em verde: uma estratégia econômica para o século XXI".   A mudança climática, segundo destacou Gore, é "real" e pode chegar a ser "catastrófica", mas conseguindo se reduzir as emissões de CO2, o processo pode ser "reversível".   Nesse caso, continuou, "as nações que se adaptem mais rápido a uma economia baixa em carbono serão as que prosperarão".   Em seu discurso, Al Gore, que também recebeu um Oscar pelo documentário sobre a mudança climática intitulado Uma Verdade Inconveniente, relacionou a atual crise financeira com o que denominou a "crise" climática.   Neste sentido, assegurou que enquanto a primeira começou pelo "derrubada das hipotecas lixo" e afetou de forma global a todo o planeta, a segunda também sofrerá o "derrubada dos ativos de carbono lixo" e requer, além disso, uma solução global.   "Afrontamos a crise mais perigosa de toda a história da humanidade", afirmou, "e é preciso evitar que se beneficiem as empresas que se transferem a regiões com menos limites nas emissões de CO2".   Segundo ressaltou, a solução também passa por mudar os sistemas de produção de energia e, neste ponto, apostou pelas energias renováveis (solar, eólica e geotérmica), enquanto opinou que a energia nuclear "tem um papel a desempenhar, mas não será destacado".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.