Alckmin diz que preservará Mata Atlântica no Embu

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), afirmou que o projeto habitacional no bairro do Pirajussara, periferia de Embu das Artes, não será levado adiante se a área for de preservação ambiental. "Temos a obrigação de preservar a Mata Atlântica para as futuras gerações. Por isso, se houver justificativa ambiental, cancelaremos o projeto", disse hoje, durante a inauguração de moradias da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado (CDHU), no Campo Limpo, na zona sul da capital.Moradores de Embu, na Grande São Paulo, realizaram manifestação, na última quinta-feira contra o projeto da CDHU em uma área de 443 mil m2 de Pirajussara, onde a população reivindica um parque. Segundo o Movimento Pró-Parque Pirajussara, um estudo sobre a região, da Secretaria Estadual do Meio Ambiente, constatou que a mata nativa ocupa 171 mil m2, e o restante é composto por matas secundárias, em processo de regeneração. O projeto da CDHU preservaria 96 mil m2 de área verde, ocupando o restante com moradias. Segundo o governador, o projeto ainda não foi aprovado e a reivindicação da população será levada em consideração.Os imóveis entregues hoje foram construídos em regime de mutirão e incluem 380 apartamentos em Campo Limpo, 84 sobrados em São Miguel Paulista, além de 261 unidades no município de Ferraz de Vasconcelos (160 apartamento e 101 sobrados). Segundo Alckmin, o programa de mutirões da CDHU está iniciando a construção de mais 12 mil unidades, beneficiando 88 associações de luta por moradia.

Agencia Estado,

02 de junho de 2002 | 14h05

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.