Álcool em pequenas quantidades pode reduzir obesidade

O consumo de álcool em pequenas quantidades reduz o risco de obesidade, revelou hoje um estudo divulgado pela revista BMC Public Health. A publicação acrescenta que uma ou duas taças de uma bebida alcoólica, por alguns dias da semana, são uma boa receita para manter a linha. Mas, ao mesmo tempo, adverte que quando se aumenta a porção para quatro ou mais taças diárias, as probabilidades de que uma pessoa sofra de obesidade aumentam em 46%. A advertência é especialmente válida para os habitantes dos EUA, onde mais de 60% da população sofre excesso de peso e mais de 20% é obesa. Segundo os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, a obesidade e o peso excessivo são os principais fatores causadores das doenças vasculares, diabetes e alguns tipos de câncer. A conclusão sobre as vantagens do consumo de um pouco de álcool de maneira regular foi extraída de um estudo realizado com 8.236 pessoas por cientistas de uma clínica em Rochester (Nova York). Os participantes da pesquisa responderam um questionário sobre seus hábitos de consumo de bebidas e foi medido seu índice de massa corporal (IMC). Os resultados indicaram que quem bebe com moderação tem menos probabilidades de ter peso excessivo que os que são totalmente abstêmios. Por outro lado, as probabilidades de obesidade entre os que bebem mais de cinco taças por semana aumentaram 46%, disseram. O estudo não especificou claramente o tipo ou o teor alcoólico das bebidas. Os autores admitiram que não está claro qual é o mecanismo com o qual o álcool influi na obesidade. No entanto, advertiram que "não existe prova alguma que permita sugerir aos abstêmios que comecem a consumir álcool para evitar a obesidade". Mas observaram que os dados extraídos do estudo mostram que seria contraproducente recomendar a abstenção total, pelo menos entre as pessoas que consomem álcool de maneira regular.

Agencia Estado,

04 de dezembro de 2005 | 22h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.