Alemães são presos contrabandeando peixes ornamentais

Mais um flagrante de biopirataria no Amazonas. A PolíciaFederal prendeu, na noite de segunda-feira, os alemães Tino Hammel e Dirk Hezmut Reinel quando tentavam embarcar no aeroporto Eduardo Gomes com 220 peixes ornamentais capturados no município de Barcelos (400 km de Manaus). A biopirataria é um crime ambiental comum na região. Somente no ano passado, foram comprovados sete casos e 21 estrangeiros foram presos. Todos, no entanto, foram libertados e mandados de volta ao País de origem.No caso dos alemães, não deverá ser diferente. Mas a Polícia Federal e o Ibama se mostraram surpresos com a tecnologia apresentada pelos piratas de biodiversidade. Os peixes ornamentais e as plantas encontradas com eles estavam muito bem embaladas para viagem. Os peixes, dentro de vidros próprios para transporte, tinham água e oxigênio suficientes para atravessar o oceano Atlântico. E tudo envolvido por uma lâmina de chumbo e alumínio para impedir que os peixes fossem detectados pelo fiscalização do aeroporto.Entre os sofisticados equipamentos encontrados com os alemães estava até um GPS (Global Position System), aparelho utilizado para marcar as posições geográficas onde os peixes haviam sido capturados. ?Eles agem sempre assim. Levam as espécies para o exterior e dão as coordenadas para que um equipe de captura mais bem equipada volte ao local depois?, disse o chefe de fiscalização do Ibama, Ênio Cardoso.O município de Barcelos, ao norte do Amazonas, é conhecido pelafartura de peixes ornamentais. Tanto que todos os anos, no fim dejaneiro, acontece no local o Festival do Peixe Ornamental, que atraiamazonenses, turistas e, claro, biopiratas de todo o Mundo.

Agencia Estado,

18 de fevereiro de 2003 | 17h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.