Ali Unal/Reuters
Ali Unal/Reuters

Ali Agca, terrorista que atirou contra João Paulo II, deixa prisão

Terrorista poderá ser obrigado a cumprir o serviço militar obrigatório na Turquia aos 52 anos de idade

Efe,

18 Janeiro 2010 | 08h27

Memhmet Ali Agca, o terrorista turco que atentou contra o papa João Paulo II em 1981, deixou nesta segunda-feira, 18, a prisão onde estava, na região de Ancara, capital da Turquia.

 

Após ser libertado, Agca foi enviado imediatamente a um escritório de recrutamento militar para ser submetido a um exame médico e decidir se é apto para o serviço militar, que ainda não cumpriu, aos seus 52 anos. Os jornalistas que esperavam fora da prisão de Sincan não viram o homem que atirou contra João Paulo II em Roma.

 

O ex-detento, que nos anos 80 esteve filiado à extrema-direita turca, viajava em um comboio de dez veículos policiais, que era seguido pela imprensa, em operação transmitida ao vivo pela televisão turca.

 

Segundo fontes não oficiais, está previsto que Agca permaneça vários dias em Ancara antes de apresentar-se perante a imprensa para falar de sua vida na prisão.

 

Seu irmão, Adnan Agca, protestou hoje publicamente por sua mudança para um hospital do escritório de recrutamento e alegou que Ali "já cumpriu 30 anos", em alusão ao tempo que esteve preso na Itália, pelo atentado contra o papa, e na Turquia por outros delitos.

 

Segundo a cadeia televisiva "NTV", Adnan Agca alegou que os já cumpriram serviço militar tão longo como Mustafa Kemal Atatürk, o fundador da Turquia moderna, após reprovar às dúvidas da Justiça sobre Ali frequentar ou não as fileiras.

 

Adnan Agca demitiu ontem o advogado de seu irmão, após acusá-lo de ter posto em risco a segurança de Ali ao informar sobre sua situação militar sem sua autorização, só para ganhar prestígio.

Mais conteúdo sobre:
Ali AgcaJoao Paulo IIprisao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.