Amazonlife vence o Prêmio New Ventures

A Amazonlife, empresa brasileira de confecção de bolsas e acessórios em couro vegetal, foi uma das três vencedoras do prêmio internacional New Ventures, anunciado em Monterrey, no México. A empresa, considerada social e ambientalmente correta, receberá investimentos da ordem de US$ 500 mil para divulgar sua marca, estimular o desenvolvimento de novos produtos e ampliar a distribuição de sua etiqueta, além de contar com a consultoria da Booz Allen Hamilton, considerada referência internacional em negócios. Pelo menos dois investidores indiretos e dois fundos de investimento direto, um alemão e outro argentino-americano, já estão em contato com a vencedora para fechar parcerias, segundo informa José Augusto Fortes, sócio da Amazonlife.?O projeto do couro vegetal nasceu em 1992, com a imensa procura de produtos feitos com látex de seringa do Acre, durante a Rio92, onde tínhamos um estande e recebemos visitantes de todo o mundo, do Havaí à China?, conta Fortes. Em 1994, o projeto transformou-se numa empresa, a Couro Vegetal da Amazônia, sediada no Rio de Janeiro, e, em 1999, ficou internacionalmente conhecido graças à parceria com a famosa marca francesa Hermès, que lançou uma linha de bolsas feitas com o couro vegetal. Para uma posição de destaque?Com a bolsa de jardim da Hermès, que foi a best-seller da linha, saímos de uma produção alternativa e até meio hippie e galgamos uma posição de destaque, com um produto fashion?, continua o sócio da Amazonlife. A empresa passou a pesquisar outros produtos da Amazônia, como sementes, corantes e tecidos feitos por índios e já participou de diversos eventos, com estilistas conhecidos, para mostrar as possibilidades de tais materiais. Agora, aposta nos novos investimentos para crescer, contando com o aval da Booz Allen Hamilton, que é quase uma certificação. Em dezembro, com apoio da entidade ambientalista WWF-Brasil e do Ministério do Meio Ambiente (MMA), organiza a exposição Amazônia Sustentável, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. O objetivo da mostra, que deverá permanecer aberta por seis meses, é ampliar o mercado de produtos considerados sustentáveis.No México, duas outras empresas também conquistaram o New Ventures, este ano: a cadeia de lojas mexicana, especializada em café orgânico, Cafe La Selva, e a Solar Trade Corporation, uma empresa de secadoras solares para café, da Costa Rica. O prêmio foi criado em 2000 e já viabilizou o equivalente a US$ 4,4 milhões em negócios sustentáveis, na América Latina. Outros US$ 2 milhões em investimentos estão em negociação.Vitrine internacional O New Ventures Investor Forum é uma grande vitrine internacional para empresas consideradas sustentáveis, do ponto de vista ambiental, mas que ainda precisam de investimentos para crescer e conquistar mercados. Especialistas do World Resources Institute (WRI), instituto ambiental independente, sediado em Washington D.C., fazem uma avaliação rigorosa de empresas com potencial para ?criar soluções lucrativas para desafios de meio ambiente e desenvolvimento?. Os finalistas recebem treinamento e orientação financeira e têm oportunidade de fazer contatos com os investidores."Estamos satisfeitos em reconhecer estes talentosos empreendedores e confiamos que aparecerão investidores para apoiá-los na ampliação de seus negócios?, comentou Luiz Ros, diretor do New Ventures no WRI. "O compromisso comum com a preservação da biodiversidade, entre os vencedores, ilustra a preocupação crescente dos empresários para com o tema. E as novas parcerias, com instituições influentes, são fundamentais para deslocar os negócios sustentáveis, das margens para os mercados principais?.

Agencia Estado,

19 de novembro de 2002 | 15h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.