Ambientalistas pedem que papa renuncie à estola de pele

Objetivo de ONG é coletar assinaturas para apresentar pedido ao pontífice no final de setembro

Efe

21 de julho de 2008 | 21h00

A Associação Itália para a Defesa dos Animais e do Meio Ambiente (Aidaa) iniciou nesta segunda-feira, 21, uma campanha de coleta de assinaturas na internet para pedir ao papa Bento XVI que renuncie a usar peças com pele de arminho.   Em uma nota, o presidente da Aidaa, Lorenzo Croce, explicou que a "pequena e significativa renúncia pessoal" por parte do papa se transformará em um "forte sinal para a preservação dos animais e do meio ambiente".   O objetivo da Aidaa é apresentar ao pontífice no final de setembro este pedido, acompanhado das assinaturas coletadas no site da ONG.   A solicitação se une aos pedidos feitos anteriormente por outras associações italianas de defesa dos animais.   Desde o começo de seu Pontificado, o papa recuperou do vestuário papal peças como o camauro, um gorro de veludo com pele de arminho branco que os papas usavam no inverno.   Outro dos complementos que o pontífice recuperou é a chamada mozeta, vestimenta muito habitual entre os cardeais, e cuja versão de inverno é em veludo e com arminho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.