Ameaçada operação para derrubada de satélite perdido

Forte maré ao oeste da ilha do Havaí, de onde seria feita a interceptação, é obstáculo para concluir a operação

Efe,

20 de fevereiro de 2008 | 14h24

O mau tempo no Pacífico Norte pode obrigar a interrupção da operação de abatimento do satélite espião americano defeituoso, que está em rota de colisão com a Terra, informou o Pentágono.  Veja também:Satélite espião em queda passará sobre São PauloSatélite em rota de colisão com a Terra será derrubado na quintaMoscou diz que EUA buscam testar arma espacialEUA anunciam que vão tentar abater satélite no espaçoSatélite militar perdido dos EUA deve cair no início de março Na operação, prevista para esta quarta-feira, 20, estava planejado a interceptação do satélite por um míssil lançado a partir de um navio da Marinha americana. A missão tem como objetivo desviá-lo em direção ao oceano. O Departamento de Defesa declarou que a forte maré ao oeste da ilha do Havaí, onde se encontra a embarcação, é um obstáculo para concluir a operação.  "Não achamos que o tempo estará suficientemente bom", afirmou uma fonte do Pentágono. O Departamento de Defesa indicou ainda que por enquanto não há uma decisão definitiva, e se o tempo melhorar ao longo do dia, a missão será levada a diante. A decisão final será tomada pelo secretário de Defesa, Robert Gates. Na semana passada, o presidente George W. Bush ordenou a derrubada do satélite espião, devido ao perigo do choque com a atmosfera, que pode disseminar gases tóxicos - hidracina -, contidos em seu tanque de combustível. As autoridades americanas asseguraram ao longo do mês que existem poucas possibilidades que os restos do satélite caiam em zonas povoadas. A Marinha espera abater o satélite pouco antes que ele entre na atmosfera, a cerca de 240 quilômetros da superfície terrestre. Até 29 de fevereiro, a operação terá uma tentativa por dia.

Tudo o que sabemos sobre:
satélite espião perdidoPentágono

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.