Americanos e chineses, juntos na pesquisa de pandas

Zoólogos americanos e chineses estão conduzindo os mais abrangentes estudos biomédicos já feitos com pandas gigantes vivos, na esperança de encontrar melhores meios para proteger a espécie ameaçada de extinção, segundo infomrou, hoje, a Agência Nova China.Uma fêmea de nove anos, chamada Jiaozi ? ou bolinho ? tornou-se a primeira de 18 pandas a ser submetida a testes, que incluem exames de estômago e biópsias para estudar células dos tecidos.Os animais recebem anestesia geral para os procedimentos de análise feitos pelo maior instituto de pesquisa sobre pandas da China, em Chengdu. A equipe de 10 membros inclui zoólogos da Atlanta, San Diego e Washington.No início do mês, as autoridades chinesas anunciaram que o número de pandas havia aumentado mais de 40%, chegando a 1.590, desde o início dos anos 90. E lembraram que as características de seu habitat ? florestas de bambu dispersas pelo país ? e a baixa fertilidade são obstáculo para a procriação.Os zoólogos esperam que os resultados dos testes produzam esclarecimentos sobre as doenças que atacam os pandas, incluindo infertilidade, problemas de crescimento, gripes, hepatite e morrinha ? um tipo de praga animal.?Essas informações nos ajudarão a chegar a melhores meios de proteger os pandas gigantes?, disse Zhang Zhihe, diretor do instituto de Chegdu.

Agencia Estado,

22 de junho de 2004 | 15h36

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.