Tiago Queiroz/ Estadão
Tiago Queiroz/ Estadão

Análise: informação de má qualidade na ciência produz ruído

Pressa e o pânico atrapalham o andamento da ciência, e atropelam o bom senso

Natalia Pasternak*, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2020 | 05h00

Desde o início da pandemia, a pressa e o pânico atrapalharam o andamento da ciência e atropelaram o bom senso. Metáforas bélicas despertam emoções e sufocam a razão, sugerindo que o rigor do método científico é “frescura” melhor reservada para tempos de “paz”.

Mas o que garante a segurança e a eficácia dos remédios e vacinas que tornam a civilização moderna possível é justamente esse rigor. O mundo tem acompanhado a proliferação de um número colossal de estudos incompletos, pequenos e mal desenhados, que tentam desesperadamente encontrar um medicamento eficaz contra a covid-19. A ansiedade é compreensível, mas o excesso de informação de má qualidade gera um ruído que mais atrapalha do que ajuda. 

A hidroxicloroquina (HCQ) é o exemplo clássico Essa molécula, que tem efeito antiviral em tubos de ensaio, já falhou em testes com animais e humanos para influenza, dengue, ebola, chikungunya e Sars, esta última causada por um vírus semelhante ao atual. Para ebola e chikungunya, aumentou a carga viral e a febre dos animais. A despeito dessa história de fracassos, um trabalho de péssima qualidade, publicado por um grupo francês, levou boa parte do mundo a depositar esperança na HCQ.

Se um único estudo de boa qualidade tivesse sido feito, já saberíamos se a HCQ funciona contra a covid-19. O problema é que o ruído foi tamanho que impediu isso. Uma vez que médicos e pacientes estejam tomados pela fé no remédio, como desenhar um estudo clínico? Quem aceitará ser colocado no grupo controle e ficar privado da “cura”?

Pior: a pressa e a urgência acabam sendo usadas como justificativa para todo tipo de oportunismo. O recente estudo publicado pela Prevent Senior não é um mero caso de relaxamento do rigor científico, mas envolve questões éticas graves que, felizmente, começam a ser investigadas pelas autoridades. 

A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, Conep, suspendeu o estudo após identificar possíveis irregularidades, como o uso experimental do medicamento em pacientes com diagnóstico ou suspeita de covid antes do aval do órgão.

Se a metáfora é de guerra, vamos lá: médicos usam as armas da ciência para salvar vidas. O mínimo que os cientistas devem fazer é garantir que essas armas não atirem pela culatra.

* Pesquisadora do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), presidente do Instituto Questão de Ciência e autora do livro Ciência no Cotidiano (Ed Contexto).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.