Annan pede à Rússia que assine Protocolo de Kyoto

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, fez um apelo para que a Rússia assine o Protocolo de Kyoto, que classificou como o primeiro passo, em décadas, para combater o aquecimento global. "Convoco todos os países desenvolvidos que não aderiram a essa iniciativa global crucial para acelerar o processo de ratificação", disse Annan, em documento enviado à conferência sobre o tema em Milão, onde estão reunidos representantes de 180 países.O secretário-geral citou a preocupação crescente com a elevação do nível dos mares, a queda na produção agrícola e as ondas de calor - como as que atingiram a Europa em meados deste ano -, todos fenômenos associados ao efeito estufa.Organizadores da conferência, que termina depois de amanhã, esperavam que o encontro fosse coroado pela ratificação do tratado - esperança comprometida pela indecisão da Rússia, cujo apoio é fundamental para a sobrevivência do protocolo, desde que os EUA se negaram a assiná-lo, dois anos atrás. A despeito dos obstáculos, os negociadores chegaram a um acordo sobre como os países que ratificaram o protocolo e suas empresas podem ganhar créditos pela preservação de florestas e projetos de reflorestamento em países em desenvolvimento, como forma de absorver parte do gás carbônico lançado na atmosfera.

Agencia Estado,

10 de dezembro de 2003 | 20h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.