<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Annan pede ajuda a longo prazo para vítimas de Chernobil

Dezenove anos depois do acidente de Chernobil, o secretário-geral da ONU, Kofi Annan, pediu nesta terça-feira ao mundo que ajude as comunidades afetadas pelo que classificou como "a pior catástrofe tecnológica da história". Em um comunicado, Annan disse que quase duas décadas depois do desastre, os países mais afetados - Belarus, Federação Rússia e Ucrânia - "continuam sofrendo as conseqüências sociais, econômicas e humanitárias".Cerca de 8,4 milhões de pessoas dos três países estiveram expostas à radiação, quando o reator da central elétrica de Chernobil explodiu em 26 de abril de 1986 e deixou escapar cerca de 50 milhões de curies (unidade da atividade radiativa). "O desafio surgido após Chernobil mudou com o tempo. Além da ameaça da radiação, existe o perigo não menos importante da pobreza, do desemprego e de uma infra-estrutura inadequada nas regiões contaminadas", destacou Annan.Ele lembrou que os esforços da ONU se centram agora em uma assistência ao desenvolvimento a longo prazo, impulsionando novos modos de vida que sejam sustentáveis desde a perspectiva econômica e meio ambiental. "Os primeiros esforços neste sentido são prometedores, mas necessitamos aumentá-los drasticamente para poder satisfazer as necessidades da população afetada", destacou.Deste modo, fez um chamado à comunidade internacional para que proporcione ajuda financeira que permita custear programas de assistência às comunidades afetadas para que elas possam voltar a ser auto-suficientes e normalizem suas vidas. Por outro lado, o Programa para o Desenvolvimento da ONU (PNUD) indicou em um comunicado que ainda há desinformação e conceitos errados sobre o impacto da catástrofe.Em uma pesquisa realizada entre a população dos países mais afetados entre 2003-2004, concluiu-se que "existe uma grande confusão sobre o efeito da catástrofe na saúde" dos habitantes da zona. O estudo ressalta a necessidade de promover o desenvolvimento econômico e a auto-suficiência na região, enquanto são enfrentados os problemas de contaminação meio ambiental.

Agencia Estado,

26 de abril de 2005 | 16h32

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.