Anvisa propõe limites para benzeno

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) abriu consulta pública para a proposta de diminuir, em produtos de limpeza e inseticidas, os níveis de benzeno, um derivado do petróleo que pode causar câncer.A substância, encontrada em solventes, repelentes, inseticidas, ceras líquidas e removedores, só poderá compor até 0,1% do total do produto. Desde 1982, o limite era 1%, de acordo com uma portaria dos ministérios da Saúde e do Trabalho.Os produtos que tiverem em sua fórmula concentrações de Benzeno acima de 100 ppm (parte por milhão num volume) devem trazer instruções claras sobre o risco de contaminação.Para esses produtos, a proposta da Anvisa é que tragam, no rótulo, informações toxicológicas, recomendações de segurança, de uso e de primeiros socorros, como a frase "Contém contaminante comprovadamente cancerígeno para humanos".A medida tem como parâmetro a avaliação dos riscos da substância feita pela IAR (International Agency Research on Cancer), agência norte-americana que pesquisou o potencial cancerígeno da substância e a caracterizou como "comprovadamente cancerígeno".A comunidade e representantes do setor podem encaminhar sugestões e críticas para o endereço eletrônico saneantes@anvisa.gov.br, o fax (61) 448-1197 ou o endereço: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, SEPN 515, Bloco "B", Ed. Ômega, Asa Norte, Brasília, DF, CEP: 70.770.502.Os interessados em contribuir têm 40 dias a partir desta segunda para enviar as sugestões. Depois de acolhidas e debatidas, as propostas serão consolidadas numa resolução.

Agencia Estado,

08 de abril de 2002 | 17h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.