Aparecida recebe milhares de fiéis na festa da padroeira

É possível notar, em Aparecida, obras de ampliação de hotéis. A cidade tem indústrias voltadas para os romeiros

Simone Menocchi, da Agência Estado,

11 de outubro de 2008 | 15h20

Os hotéis de Aparecida estão lotados. As fábricas de velas e de imagens dobraram a produção e recusam novos pedidos. Não há como aumentar a fabricação porque falta mão-de-obra na cidade. Enquanto isso, as lojas estão abarrotadas de todos os tipos de suvenires religiosos, prontas para receber 1 milhão de romeiros que vão passar por Aparecida até o fim de outubro, 230 mil somente neste sábado e domingo.   Segundo a Associação Comercial, são 1.200 lojas de produtos religiosos, 160 bares e restaurantes e 30 mil leitos em 165 hotéis. Além das lojas, há ainda, na feira, 2.500 barracas, que também vendem artigos de Nossa Senhora Aparecida. Tudo para atender os 8,5 milhões de romeiros que todos os anos passam pelo município.   Para este fim de semana, as vagas nos hotéis foram preenchidas com quase um ano de antecedência. "Na hora de ir embora, de fechar a conta, normalmente as pessoas já deixam reservados os quartos para o ano seguinte", confirma o empresário Marcio Chad. De acordo com o presidente do sindicato dos hotéis e restaurantes, Ernesto Elache, os lucros acabam também sobrando para a vizinha Guaratinguetá. "Se não tem mais vagas aqui, os romeiros ficam em outros municípios."   É possível notar, em Aparecida, obras de ampliação de hotéis. A cidade conta com cerca de 80 microindústrias voltadas para atender ao comércio local, onde são fabricadas velas, imagens de santos, terços, quadros. Para comer, se hospedar, circular e rezar, o turista acaba gastando, em média, cerca de R$ 50 por dia, o que resulta na movimentação de cerca de R$ 450 milhões por ano.   Na fábrica de velas do empresário Péricles de Moraes, somente as velas de metro - usadas para pagar promessas - neste mês chegaram a 150 mil unidades. "Sem contar os outros tipos. A produção neste ano teve um aumento de cerca de trinta por cento", comemora. A fábrica dele fornece para o Santuário Nacional, que comercializa as velas nas cores azul e branca, cores que evocam o manto de Nossa Senhora Aparecida.    As comemorações começam domingo às 5 horas, com queima de fogos, badalar de sinos e música. As missas serão às 5h30, 8h, 10h, 13h, 15h. A festa termina com a procissão, a partir das 16 horas. Neste ano, d. Raymundo Damasceno Assis, que normalmente celebra a missa solene, está em Roma e, por isso, a liturgia ficará a cargo do bispo do Ceará, d. Jacinto de Brito Sobrinho.

Tudo o que sabemos sobre:
aparecidapadroeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.