Aparecida receberá 230 mil católicos para o Dia da Padroeira

Trinta padres, dez religiosos, 1.200 funcionários e outros mil voluntários vão recepcionar os romeiros

Simone Menocchi, de O Estado de S. Paulo,

10 de outubro de 2008 | 14h11

O maior centro de peregrinação do país, o Santuário Nacional de Nossa Senhora Aparecida, deve receber neste fim de semana, pelo menos 230 mil católicos para as comemorações do Dia da Padroeira do Brasil. Trinta padres, dez religiosos, 1.200 funcionários e outros mil voluntários vão recepcionar os romeiros neste domingo, 12, em Aparecida.  De todas as partes do país e também do exterior, a maioria dos devotos da santa chega em excursões, de ônibus, em carros ou até mesmo a pé, como o grupo de Mogi das Cruzes, interior de São Paulo, que está percorrendo cerca de 150 quilômetros, pela via Dutra, para estar na basílica no sábado, 11, à tarde. "É sacrificante, dói as pernas, mais vale a pena", conta a professora Michele Teixeira, uma das integrantes do grupo, formado por 22 pessoas.  Durante toda semana centenas de romeiros andaram pelo acostamento da via Dutra, carregando a imagem de Nossa Senhora e bandeiras, para cumprir promessa e participar da festa no Santuário Nacional. A Policia Rodoviária Federal reforçou o policiamento na rodovia, já que a festa da Padroeira do Brasil é uma das datas de maior movimento na estrada. Um esquema especial foi montado para que não haja congestionamento na principal rodovia entre São Paulo e Rio de Janeiro e até helicópteros devem dar apoio ao policiamento, que também está sendo feito nas estradas de acesso, pelos policiais rodoviários estaduais.  "A operação começa neste fim de semana e segue até o final do mês, já que muitos devotos não vão a Aparecida no dia da festa e sim nos finais de semanas seguintes", informou major Newton Michelazzo, um dos comandantes da operação. O movimento é tanto que os ônibus - cerca de 5 mil - chegam a estacionar nos canteiros laterais da via Dutra.  Para garantir a tranqüilidade dos romeiros - que normalmente são vitimas de furtos até dentro da igreja - a Polícia Militar também reforçou a vigilância dentro e fora da igreja, colocando 400 policiais militares fardados e a paisana. Há ainda reforço da polícia civil e 150 homens contratados pelo Santuário Nacional, também vão ajudar na segurança.  No domingo, 12, as comemorações começam ainda de madrugada, com queima de fogos, badalar de sinos e música, às 5 horas da manhã. As missas estão marcadas para à 5h30, 8h, 10h, 13h, 15h. A festa termina com uma procissão que começa às 16 horas e se finaliza com show dos cantores do Santuário, na Tribuna Sul, ao ar livre. Neste ano, a missa solene, das 10 horas, que normalmente é celebrada por dom Raymundo Damasceno Assis, será celebrada pelo bispo do Ceará, dom Jacinto Furtado de Brito Sobrinho, de Crateús. Dom Raymundo está em Roma.  Mais uma vez haverá plantões de atendimento ao romeiro por 24 horas, mantidos pela prefeitura. A entrada ao Santuário Nacional é gratuita, sendo cobrado o estacionamento. Carros, vans e ônibus pagam para estacionar tarifas de R$7, R$10 e R$28, respectivamente. São 2.500 vagas para ônibus e 4 mil para carros.  Estrutura da fé  Não são somente as cúpulas douradas e o telhado azul que chamam a atenção no maior santuário mariano do mundo. A basílica de Nossa Senhora Aparecida, que recebe mais de 8 milhões de católicos por ano, tem, em suas dependências, uma estrutura semelhante ao publico que recebe. São 996 banheiros, 245 bebedouros, 57 chuveiros e um reservatório com capacidade para 4 bilhões de litros d'água. Há um berçário com fraldários por onde passam, em média, 300 crianças por dia. No pátio da Basílica, o romeiro também encontra ambulatório médico, com especialistas, enfermeiros e ambulâncias com UTI, além de um posto da Polícia Civil, caso alguma ocorrência precise ser registrada. Já os motoristas de ônibus tem um lugar reservado para passar o dia. Em um espaço destinado aos condutores, eles podem dormir, tomar banho quente e assistir televisão.

Tudo o que sabemos sobre:
religiãoAparecidaSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.