Aparelho vê coração por dentro e por fora

O diagnóstico de problemas cardíacos conta agora com a ajuda de um novo instrumento, um aparelho de tomografia computadorizada, capaz de registrar imagens do coração e de suas artérias por dentro e por fora. Batizado de MX 8000 IDT ele é considerado um possível substituto do cateterismo, o exame feito para diagnosticar obstruções nas artérias. Com a vantagem de não trazer riscos para o paciente.Há vários recursos usados na tentativa de substituir o cateterismo, incluindo outros aparelhos de tomografia. O MX 8000 difere dos demais por causa da velocidade da captação das imagens, afirma o radiologista Tito Lívio Mundim, diretor da Clínica de Radiologia Villas Boas, de Brasília, um dos quatro centros do mundo escolhidos para usar pela primeira vez o aparelho.A cada segundo, o tomógrafo, fabricado pela Philips, consegue registrar 38 imagens do coração. Depois de agrupadas no computador, elas retratam o movimento do músculo cardíaco, a saúde do tecido e das artérias. "É como se tirássemos várias fotos que depois são montadas. Com isso, podemos verificar onde houve enfarte, a extensão e a localização do músculo atingido", diz Mundim. "Além disso, detectamos a presença de calcificação das artérias e placas de gorduras com risco de desprendimento", completa.Mundim acredita que o novo tomógrafo poderá reduzir um número considerável de cateterismos desnecessários. O que é um grande avanço, diante do desconforto e dos problemas que a técnica pode trazer ao paciente. Ele enumera outras vantagens: "Com o novo tomógrafo, o cardiologista pode ter uma noção mais detalhada da situação", garante. Fator indispensável para que a melhor forma de tratamento possa ser prescrita.De acordo com o perfil do problema cardíaco, lembra Mundim, terapias com medicamentos são muito mais eficientes do que angioplastias - técnica que desobstrui as artérias - ou cirurgias. Além de usado para diagnóstico cardíaco, o novo tomógrafo poderá ser indicado para detecção de problemas na traquéia, bexiga, no intestino - locais do organismo onde alguns diagnósticos ainda são difíceis de serem feitos. Outra indicação citada pelo médico é a detecção precoce de câncer de pulmão. "O exame consegue verificar formações de até um milímetro."Para o professor titular de radiologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Giovanni Cerri, exames como os realizados em Brasília podem ajudar a selecionar os exames de cateterismo, mas não substituí-los. "Isso pode ocorrer no futuro. Atualmente, o mais prudente é incluir exames de tomografia como parte dos testes anteriores ao cateterismo. Mas os resultados têm de ser avaliados com critério", afirma.Ele dá um exemplo: se o estado clínico não é bom, e os testes têm resultados ruins, com apenas a tomografia favorável, o cateterismo deve ser feito. O diretor de hemodinâmica do Instituto do Coração, Eulógio Martinez Filho, tem uma avaliação semelhante. "Exames de diagnóstico por imagens são promissores para detecção de problemas cardíacos. Mas há ainda algumas dúvidas e, por isso, não podemos agora substituir um teste por outro."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.