Após 17 anos no espaço, sonda Ulysses está prestes a falhar

Entre os feitos científicos atribuídas à sonda pela Nasa, estão a primeira medição direta da poeira interestelar

Carlos Orsi, do estadao.com.br,

22 de fevereiro de 2008 | 16h56

Lançada pelo ônibus espacial Discovery em 1990, a sonda espacial Ulysses, primeiro instrumento a explorar os pólos do Sol, está prestes a se transformar em um bloco de gelo à deriva no espaço.   Nos últimos 17 anos, o material radioativo que mantém o equipamento a bordo aquecido já decaiu a ponto de não ser mais capaz de garantir temperaturas acima de zero grau - ponto em que o combustível usado para manobrar a nave congelará. Esse combustível é hidrazina, o mesmo do satélite espião americano abatido com um míssil nesta semana.   Um projeto conjunto da Nasa e da Agência Espacial Européia (ESA), a Ulysses cumpre uma longa órbita de seis anos, que a leva até a distância de Júpiter e de volta. No trajeto, ela sobrevoa os pólos norte e sul do Sol - passou pelo sul em novembro de 2007, e fará sua próxima passagem pelo norte no próximo mês de março.   Entre os feitos científicos atribuídos à sonda pela Nasa, estão a primeira medição direta da poeira interestelar e dos átomos de hélio interestelares, além da descoberta de mudanças no campo magnético do Sol.   Cientistas haviam tentado tirar mais dois anos de vida útil da sonda desligando um de seus transmissores de rádio para que a energia pudesse ser desviada para os aquecedores, mas a manobra não funcionou durante um teste realizado em janeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
ulyssessolnasaesa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.