Após incêndio, morro recebe novas mudas

Moradores de favela serão treinados para pedir recursos do Fundo Nacional do Meio Ambiente

Clarissa Thomé / Rio, O Estado de S.Paulo

28 Julho 2010 | 00h00

O Morro dos Cabritos, que teve a floresta de Mata Atlântica parcialmente destruída há um mês em um incêndio provocado por balões, começou a receber novas mudas. No sábado, 50 árvores foram plantadas na região afetada.

A iniciativa parece tímida, diante da área queimada, de cerca de 20 campos de futebol. Mas a proposta do Batalhão Florestal da Polícia Militar para o morro é ambiciosa. Moradores da favela serão capacitados para que possam pleitear recursos do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA)e recuperar todo o trecho degradado.

"O fundo abriu uma chamada e está recebendo projetos para recuperar áreas destruídas, principalmente próximas de mananciais. E é o caso do Morro dos Cabritos. Os recursos variam de R$ 200 mil a R$ 300 mil. Além de resgatar a área queimada, ainda vai gerar emprego para a comunidade", afirma o capitão Roger Capello, coordenador do Projeto Consciência Ambiental do Batalhão Florestal e mestre em ciência ambiental pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

A ideia é que os moradores se tornem monitores ambientais e ajudem a proteger a floresta. Professores da UFF, voluntários do projeto, ensinarão sobre as espécies que se adaptam melhor ao morro, como acelerar o crescimento das plantas e como montar um projeto para concorrer à verba do FNMA.

"Essa área era totalmente degradada e foi recuperada nos anos de 1980 em um projeto da prefeitura. Essas árvores levaram 30 anos para chegar àquele ponto e foram destruídas em uma só noite", conta o diretor de Meio Ambiente da associação de moradores, Simonides Almeida Júnior, empolgado com a proposta.

O Projeto de Consciência Ambiental do Batalhão Florestal começou no Morro Santa Marta, em Botafogo. Ali, os moradores foram capacitados para serem guias de trilhas ecológicas e aprenderam a aproveitar energia solar para o aquecimento da água, a partir de caixas de leite.

No próximo módulo, professores do Jardim Botânico vão ensinar como fazer jardins suspensos a partir de materiais recicláveis e dejetos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.