Nasa
Nasa

Depois de um ano no espaço, astronautas retornam à Terra

Objetivo de expedição é comprovar os efeitos dos voos de longa duração no organismo humano para a realização de viagens

O Estado de S.Paulo

02 Março 2016 | 10h04

MOSCOU - A nave Soyuz TMA-18M, com três astronautas a bordo, retornou nesta quarta-feira, 2, à Terra procedente da Estação Espacial Internacional (ISS, sigla em inglês), informou o Centro de Controle de Voos da Rússia. Dos três integrantes da expedição, dois permaneceram na ISS por 340 dias - o russo Mikhail Kornienko e o americano Scott Kelly. O outro tripulante era o russo Sergei Volkov.

O módulo de descida aterrissou nas estepes do Casaquistão no horário previsto, à 1h26, no horário de Brasília, poucas horas depois de se separar da plataforma orbital.

"Tivemos a aterrissagem", anunciou o porta-voz do Centro de Controle de Voos russo.

A cápsula de descida, presa a um enorme paraquedas, pousou a cerca de 147 quilômetros da cidade de Zhezkazgan, na região casaque de Qaraghandy, onde era esperada por uma equipe militar de socorro.

No entanto, pela primeira vez, as equipes de salvamento não ajudaram os astronautas a abrir a escotilha, nem a sair da cápsula.

Kornienko e Kelly deixaram a nave de descida com seus próprios pés e não receberam ajuda em uma tentativa de simular uma futura aterrissagem em Marte, onde não haveria ninguém para oferecer assistência aos astronautas.

"Neste momento em que há divergências nas relações bilaterais entre Rússia e Estados Unidos, me sinto orgulhoso que russos e americanos trabalhem lado a lado em missões importantes", comentou o embaixador dos Estados Unidos em Moscou, John Tefft, segundo a agência russa Tass.

Kornienko e seu colega da Agência Espacial Americana (Nasa, na sigla em inglês), Kelly, são os primeiros astronautas que concluíram uma estadia de quase um ano na plataforma orbital desde que ela entrou em operação há mais de 15 anos.

A pessoa que mais tempo permaneceu em uma plataforma orbital foi o cosmonauta russo Valeri Poliakov, que ficou 437 dias na antiga estação russa MIR. Kelly, por sua vez, é o primeiro americano que concluiu uma odisseia espacial tão longa.

O objetivo da expedição anual é comprovar os efeitos dos voos de longa duração no organismo humano para a realização de viagens interplanetárias.

A Nasa tem a intenção de comparar as mudanças físicas e psicológicas no corpo de Kelly com os resultados das análises realizadas em seu irmão gêmeo, Mark, um astronauta aposentado.

Volkov, comandante da expedição, por sua vez, tinha chegado à estação espacial em setembro do ano passado.

Permanecem na ISS o russo Yuri Malenchenko, o americano Tim Kopra e Team Peake, o primeiro britânico a integrar uma missão espacial na plataforma. Os três chegaram à estação em dezembro de 2015. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.