Apreendidas 3 toneladas de palmito em Tapiraí

A Polícia Ambiental apreendeu 3.040 quilos de palmito cortado e embalado em vidros, na madrugada desta terça-feira, em Tapiraí, na região de Sorocaba. Foi a maior apreensão registrada este ano. A carga, com 1.548 embalagens de 1,8 quilo, 585 de 300 gramas e 156 de 500 gramas, foi avaliada em R$ 50 mil, mas não tinha documentação. A polícia acredita que o produto foi adquirido de cortadores clandestinosda região. Segundo os policiais, essa quantidade de palmito foi obtida com a derrubada de pelo menos 3 mil palmeiras da espécie Euterpe edulis, típica da mata atlântica e ameaçada de extinção. O corte da palmeira fora das áreas de manejo sustentado é crime ambiental. Há suspeita de que o palmito tenha sido retirado dos parques estaduais de Carlos Botelho e Intervales, administrados pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente, no Vale do Ribeira, onde ainda é possível encontrar uma população razoável de palmeiras. A carga estava sendo transportada no caminhão Mercedes Benz placas BXB 2391, de Piracicaba. O veículo, com documentação irregular, também foi apreendido. O motorista Marcos Rodrigues Martinez, de 26 anos, contou que fizera o carregamento em Juquiá, no Vale do Ribeira e deveria fazer a descarga em umadistribuidora de alimentos de Campinas. As embalagens tinham a marca Palmitos Mharacaya, de Matupá, Mato Grosso. Segundo a Polícia Ambiental naquele Estado a palmeira é ainda mais rara. Como a carga procedia de Juquiá, a suspeita é de que a produção foi cortada e processada em fábricas clandestinas do Vale do Ribeira. Os rótulos foram colocados para dar aparência de legalidade ao palmito. A Polícia Civil de Tapiraí esperava a chegada de um advogado da distribuidora para tentar a liberação do veículo e dos produtos apreendidos.

Agencia Estado,

18 de fevereiro de 2003 | 16h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.