Aquecimento: cortes em emissões precisam ser ainda maiores

Os estudos descobriram que um limite para quantidade de CO2 é de 1,1 tri de toneladas até 2050

AP,

29 de abril de 2009 | 16h31

Se o planeta está chegando ao seu limite com o aquecimento global, será preciso reduzir a emissão de dióxido de carbono muito mais drasticamente do que as discussões recentes têm apontado, dizem dois novos estudos.

 

Veja também:

especialEntenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

 

O CO2 vindo da queima de combustíveis fósseis - carvão, petróleo e gás natural - é a principal causa do aquecimento global.

 

Os estudos descobriram que há um limite para a quantidade de CO2 produzido pelo homem que a atmosfera pode receber antes que o ar exceda um aumento de 2º C - o nível que muitos governos estabeleceram como meta. O aumento maior das temperaturas médias globais pode ser perigoso, dizem cientistas.

 

Para que a temperatura seja mantida abaixo desses níveis perigosos, o mundo tem que emitir menos que 1,1 trilhão de toneladas de carbono de CO2 na primeira metade do século 21, de acordo com estudos publicados na revista Nature.

 

Nos primeiros nove anos do século, o mundo já emitiu um terço dessa quantidade e está a caminho de atingir o limite de uma tonelada em apenas 20 anos, disse o pesquisador Malte Meinshausen do Potsdam Institute for Climate Impact Research e principal autor de um dos estudos.

 

Mesmo que o mundo reduza as emissões para o limite, há ainda uma chance de 25% das temperaturas excederem o limite perigoso, disse.

 

O presidente Barack Obama estabeleceu os cortes de emissão em 80%. Esse é um "bom começo mas não o suficiente para limitar o aquecimento", disse Bill Hare, coautor do estudo.

 

Assumindo que outros países cortem suas emissões per capta para igualar os Estados Unidos, o país tem que cortar sua poluição total em 90 a 95% para evitar que o mundo exceda a marca de 1,1 trilhão, disse Hare.

 

Os estudos, que usaram modelos de computador, abordam o problema de maneira diferente que os anteriores. Ao invés de olhar a proporção de CO2 no ar em um dado momento, eles olharam a quantidade total emitida por muitas décadas para chegar ao número limite.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.