Aquecimento global afetará resorts de esqui

Pesquisadores apontaram que mudança significará temporadas mais curtas e menos neve

AP

16 de dezembro de 2008 | 19h01

Um estudo de dois resorts das Montanhas Rochosas chegou à conclusão que o aquecimento global significará temporadas mais curtas e menos neve nas encostas mais baixas.  Veja também:2008 foi o 10º ano mais quente desde o século XIX, diz ONUGelo terrestre elevou nível do mar em 0,5 cm em 5 anos2008 deverá ser o ano mais frio da década, dizem britânicosTemperatura no Ártico atinge nível recorde O estudo de dois pesquisadores do Colorado disse que Aspen Mountain, em Colorado, e Park City, em Utah, terão mudanças dramáticas mesmo com a redução nas emissões de carbono.  O professor de geografia da Universidade de Colorado-Boulder, Mark Williams, disse na segunda-feira, 15, que os resorts devem estar em boa situação pelos próximos 25 anos, mas depois disso haverá menos neve e a temporada será mais curta, pois a neve se acumulará mais tarde e derreterá mais cedo.  Se as emissões de carbono aumentarem, a temperatura média em Park City será 12° C mais quente em 2100, e provavelmente não haverá neve, de acordo com o estudo. A chave para a sobrevivência das maiores áreas de esqui das Montanhas Rochosas será a adaptação, de acordo com o estudo de Williams e Brian Lazar. Os pesquisadores disseram esperar que as áreas de esqui sigam as ações dos resorts europeus que já estão lidando com falta de neve.  O estudo foca sua atenção em Park City e Aspen, que ajudaram no financiamento, mas Lazar e Williams, que estão pesquisando o efeito da mudança climática nas áreas de esqui na costa oeste, disseram que diversos resorts na Califórnia, Oregon e Washington provavelmente enfrentarão os mesmos problemas.  Eles combinaram dados de temperatura e precipitação para Aspen e Park City com modelos gerais de circulação climática para o estudo. Mapearam três cenários: um aumento mais lento das emissões de carbono; continuação da taxa atual; e aumento acentuado das emissões.  "Não se trata apenas de trevas e desgraça, particularmente para as Montanhas Rochosas", disse Williams.  Reduzir a taxa de emissão provavelmente ainda significará menos acumulação de neve e temporadas mais curtas, mas os resultados não serão tão dramáticos, disseram os pesquisadores. A grande elevação e águas geladas das Rochosas ajudarão os resorts a compensar a falta de neve, armazenando água para a fabricação de neve.  Mais fabricação de neve, no entanto, necessitará de mais água, o que será um desafio em uma área onde a maior parte dos direitos de uso da água já estão alocados, disseram os pesquisadores.  Mesmo se as emissões forem reduzidas, os invernos serão mais quentes devido à defasagem de 50 a 70 anos entre a liberação do carbono e seus efeitos, disseram os pesquisadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.